Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Em reunião com representantes das empresas Etecon e LCM Construções e Comércio S/A, responsáveis pela manutenção da BR-156, o Ministério Público Federal e o Ministério Público do Amapá, chegaram a um acordo de garantir condições de trafegabilidade na rodovia.

Durante o encontro, ocorrido na terça-feira (23), os representantes das empresas garantiram que manterão equipes de trabalho das 6h às 18h nos trechos de atoleiro da rodovia.

A  LCM assumiu o compromisso de aumentar o maquinário até a próxima sexta-feira (26). A Etecon Ltda informou que manterá o quantitativo necessário de máquinas trabalhando no local.

Representantes do MPF tiveram encontro com empresas responsáveis pela manutenção da rodovia. Foto: ascom MPF

O compromisso firmado será fiscalizado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes do Amapá (Dnit). O descumprimento do acordo pode resultar na adoção de medidas judiciais.

Foram requisitadas ainda pelo procurador da República Antonio Diniz, que conduziu a reunião, cópias dos contratos de manutenção e restauração da BR-156, incluindo anexos, relatório fotográfico das condições da rodovia e quantidade do maquinário em funcionamento. Os documentos serão compartilhados com a promotora de Justiça Thaysa Moraes para análise detalhada do conteúdo e adoção de medidas necessárias para assegurar o cumprimento dos contratos.

Além do procurador Antonio Diniz, participaram do encontro Fábio Vilarinho, superintendente Dnit, o procurador Federal João Vicente Nunes Rêgo e os representantes das empresas Etecon, Glauco Cei, e LCM, Warlei Costa Pereira.

Atoleiros causam prejuízos constantes para quem precisa usar a BR-156

Compartilhamentos