Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Após 5 horas de negociação, um menor de 17 anos se entregou depois de fazer refém uma idosa e uma jovem em um quitinete na noite desta sexta-feira (5), no Bairro Renascer, zona norte de Macapá.  

O rapaz invadiu uma vila residencial localizada na Travessa José Viana, procurando esconderijo. Ele e um comparsa estavam realizando roubos nas proximidades, próximo do Detran, por volta de 19h, subtraindo bolsas e celulares das vítimas.

Quando uma das pessoas roubadas procurou ajuda, ela encontrou uma viatura do Batalhão de Trânsito (Bptran) que foi até o local indicado e achou os dois suspeitos em uma bicicleta. Segundo o primeiro relato da vítima, a dupla usava uma arma branca e o que aparentava ser um revólver para cometer os crimes.

Menor estava roubando pessoas em ponto de ônibus e fugiu para dentro de uma vila. Fotos: Olho de Boto

Ao perceberem a chegada da polícia, os dois infratores empreenderam fuga, sendo que um atravessou uma área de mato, conseguindo fugir e o segundo elemento chegou até a vila de quitinetes, onde colocou uma família na condição de reféns.

O Bptran localizou o novo paradeiro do infrator quando a vizinhança da vila alertou da presença do intruso no local. Foi então acionado o Batalhão de Operações Especiais (Bope) para cuidar da situação de crise.

Segundo o tenente Hércules, do Bope, foi uma das situações de crise de maior duração este ano. O menor fez diversas solicitações como a imprensa, a presença de familiares, colete balístico. Logo nos primeiros diálogos com a equipe composta por três negociadores da polícia, ele soltou a primeira refém, a idosa de 67 anos.

Bptran foi primeira equipe da polícia e encurralar criminoso

O tenente Hércules relatou também que a mudança de temperamento constante do jovem foi o principal motivador da demora para uma saída do impasse.

“Às vezes ficava tranquilo, mas na maior parte do tempo se mostrou bastante alterado, bastante nervoso. Talvez pelo uso de algum entorpecente”, disse.

Por volta de meia-noite, o menor acabou liberando a segunda vítima que estava com ele e a situação encerrada, trazendo alívio para a vizinhança e para a família feita de refém.

Simulacro de pistola que menor usava

Já preso, foi descoberto pelo Bope que o suposto armamento na verdade era o simulacro de uma pistola. O menor revelou ainda aos policiais que fez uso de maconha antes de cometer os crimes.

O integrante do Bope disse ainda que todos os procedimentos para isolamento do local foram feitos e que a rendição do rapaz se deu garantindo a integridade física de todos.

“Graças a Deus, apesar da demora a solução foi positiva. Conseguimos aplicar a lei, recuperar a propriedade e que ninguém saísse ferido. A equipe conseguiu trabalhar a negociação na parte psicológica”, concluiu.

Ações do Bope em situações de crise tem garantido integridade física dos envolvidos

Com mais uma intervenção em crise em 2017 o Bope consegue manter 100% dos casos sem nenhuma das partes feridas.

O menor será apresentado à Justiça. Ele já tem entrada no Cesein.

Compartilhamentos