Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

Um grupo de seis sindicalizados ingressou com uma representação no Ministério Público do Amapá (MP-AP) contra a atual diretoria do Sindicato dos Servidores Públicos Federais Civis do Amapá (Sindsep). Segundo o grupo, a atual gestão cometeu fraude eleitoral e não tem realizado prestação de contas.

A representação havia sido arquivada no ano passado pelo Conselho Superior do MP. Mas o grupo recorreu e teve decisão favorável na última semana. O Ministério Público vai investigar o Sindsep por denúncia sobre indício de fraude.

A diretoria da entidade está sendo investigada no Processo Administrativo n. 0003258-24.2015.9.04.0001. Segundo o inquérito, não há prestação de contas por parte da diretoria por quase 10 anos, bem como Assembleia Geral para prestação de contas específica à categoria.

“O atual secretário geral nunca prestou contas anuais à categoria como prevê o estatuto. Queremos saber pra onde está indo nosso dinheiro, especialmente, imposto sindical que é cobrado de todos”, ressaltou o sindicalizado, Jorge Façanha de Miranda, que assina a representação.

Ele é servidor do Ministério da Saúde no Amapá, é sindicalizado na entidade desde 2001. O servidor diz ter provas que demonstram que o processo eleitoral do Sindsep foi fraudulento e os documentos serão apresentados à Justiça.

“Tenho documentos que comprovam isso e serão apresentados na Justiça no tempo certo. Mas a questão principal é a prestação de contas”, frisou.

A atual gestão presta contas de três em três anos no Congresso Nacional dos Sindicatos dos Servidores Federais. Em novembro deste ano, terá o evento e na oportunidade uma nova eleição vai escolher os delegados e membros para a diretoria da entidade no Amapá.

A reportagem do portal SELESNAFES.COM procurou a direção do Sindsep para falar da denúncia. O diretor da entidade, Marcos Nunes, expôs a posição da atual gestão.

“Nós estamos esperando a notificação do MP para verificar a situação. Após isso, vamos chamar a imprensa para os devidos esclarecimentos”, disse o sindicalista.

Compartilhamentos