Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Uma equipe do Núcleo de Operações e Inteligência (NOI) da Polícia Civil do Amapá prendeu um dos suspeitos de participar da morte de uma técnica de enfermagem no município de Mazagão, no início deste ano. Apesar de o crime ter ocorrido há mais de dois meses, o acusado ainda estava com um relógio da vítima. Ele também confessou o crime.

O latrocínio ocorreu na noite de 27 de fevereiro em Mazagão Novo, sede do município de Mazagão. Eliana Maria Castro, de 62 anos, foi encontrada na cozinha da casa dela, na manhã seguinte,  com as mãos acorrentadas e um saco plástico amarrado à cabeça. A causa da morte foi asfixia, apontou o laudo da Politec.

Imagens de câmeras de segurança mostrando dois homens saindo da residência ajudaram a polícia a identificar um deles. Anderson dos Santos Tavares, de 19 anos, o “Andinho”, é usuário de drogas e fazia pequenos serviços na casa da técnica que era separada e estava sozinha no imóvel no momento do crime.

Delegado Alan Moutinho: versão de Andinho ainda precisa ser investigada. Foto: Olho de Boto

Vítima foi morta por asfixia. Foto: arquivo

Em depoimento ao delegado Alan Moutinho, do NOI, Andinho confessou ter participado do crime, mas atribuiu o assassinato ao primo, Raimundo Gabriel dos Santos, que também está com a prisão preventiva decretada. O comparsa teria decidido usar o saco porque a vítima estava gritando.

Andinho disse em depoimento que teria ficado responsável apenas pela retirada dos objetos roubados, como a TV, o celular e outros bens da vítima. O comparsa teria tirado a vida de Eliana Maria, versão que a polícia ainda não acreditou.

Também não é possível afirmar se o crime foi premeditado.

“Pelo depoimento do Andinho ambos estavam muito drogados. Ele disse que não tinha intenção de matar, mas a gente duvida porque a vítima o conhecia e ele sabia que ela poderia denunciá-lo depois de ser libertada”, observou Moutinho. 

Andinho foi preso na casa de uma amiga dele, no Bairro Santa Rita, em Macapá, logo no início desta manhã. É o mesmo imóvel onde a polícia já havia feito buscas, mas Andinho conseguiu fugir pelos fundos.

Relógio da vítima ainda estava com o criminoso mais de dois meses depois. Foto: Olho de Boto

O ex-marido da vítima foi até o Ciosp do Pacoval acompanhar a prisão do acusado. No dia do crime, os filhos do casal estavam com ele passando o fim de semana, por isso a vítima estava sozinha em casa.

“Os dois (criminosos) estavam num bloco de carnaval. ‘Andinho’ (Anderson) vivia por lá, comia, dormia. Ele frequentava a casa e sabia que ela tinha recebido. Então levou o amigo dele para assaltar”, comentou o ex-marido.

Procurados: (à direita) Andinho e o primo que também teve a prisão decretada. Foto: Arquivo policial

Compartilhamentos