Compartilhamentos

SELES NAFES

A juíza Larissa Noronha, da Vara de Custódia de Macapá, decidiu transformar em preventiva a prisão flagrante de um casal acusado pela Polícia Civil de “limpar” carros abertos com a ajuda de um mecanismo eletrônico. A audiência foi realizada na manhã desta quarta-feira (10).

O Ministério Público do Estado chegou a opinar pelo pagamento de fiança, mas a magistrada considerou que os crimes eram graves e havia o perigo de fuga.

Benivan Araújo dos Santos, de 35 anos, e Márcia da Silva Farias, de 41 anos, foram interceptados na manhã de terça-feira (9) no Bairro Hospitalidade, no município de Santana.

Eles estavam sendo seguidos por investigadores depois de Benivan Santos ter usado um aparelho chamado de “Chapolin” para bloquear o sinal remoto de travamento das portas do carro da vítima. Vários objetos supostamente furtados de outros carros na mesma manhã foram apreendidos no veículo do casal.

Porta-malas do carro de Benivan lotado de mochilas e bolsas no momento da prisão

A Polícia Civil ainda não sabe calcular quantas pessoas foram vítimas dos furtos, mas pelo menos 7 eram policiais e agentes penitenciários que tiveram as armas levadas dos veículos. Imagens de câmeras de segurança mostram o acusado seguindo carros de clientes que saiam de lojas de alto padrão.

Benivan Araújo e Márcia Farias foram transferidos para o Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen) logo após a audiência de custódia, onde ele se identificou como proprietário de um Salão de Beleza. 

O advogado Paulo José Ramos, que defende Márcia Farias, informou que irá recorrer da decisão, e prometeu falar sobre o assunto nos próximos dias. O portal SELESNAFES.COM não conseguiu contato com o advogado que defende Benivan Araújo.  

Polícia aguarda a presença das vítimas para pedir a devolução dos objetos apreendidos com o casal

Compartilhamentos