Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Um projeto social prepara candidatos a concursos públicos de graça há dois anos em Macapá. Os organizadores do ‘Concurseiros Unidos’ não sabem quantas pessoas já foram beneficiadas com a iniciativa que nasceu da dificuldade de boa parte da população para pagar um curso preparatório.

Neste ano, cinco turmas estão funcionando com cerca de 300 pessoas que irão prestar provas para o Enem, Exame da OAB, IBGE, Polícia Civil e Polícia Militar.

Colégio Amapaense tem sido o espaço usado pelo cursinho. Fotos: André Silva

A ideia do concurso surgiu há dois anos. As primeiras aulas eram ministradas em uma sala cedida na Biblioteca Publica Elcyr Lacerda, no Centro. Hoje, as aulas acontecem no Colégio Amapaense (CA), onde 80 professores se revezam para dar aulas de diversas matérias.

Entre esses profissionais está o professor Renato Sales, com 65 anos de carreira. Ele diz que é um privilégio poder ajudar.

“Sobra tempo, então por que não ajudar o próximo? E isso pra mim não é de graça porque quando estou ensinando, também estou aprendendo”, considerou o professor.

Renato Sales: privilégio poder ajudar

Carlos Cardoso, um dos idealizadores do projeto, conta que viu a dificuldade que muitas pessoas tinham para pagar um curso preparatório e decidiu ajudar. Agora, o projeto quer dar um outro passo que é o de se transformar em uma instituição de direito.

“Estamos em uma fase de regulamentação do projeto para transformá-lo em uma associação para tentarmos conseguir o nosso próprio espaço, que a gente espera ser bem amplo” reforçou Cardoso.

Carlos Cardoso: ajuda para quem não consegue pagar um curso preparatório

Renato Oliveira, de 21 anos, é desempregado. Ele já participou do projeto estudando para o Enem e agora está se preparando para o concurso do IBGE.

“São professores que a gente vê que realmente se importam com as pessoas e, como qualquer um, o cursinho tem profissionais capacitados para ensinar”, reconheceu o estudante.

Compartilhamentos