Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

Um grupo de 12 estudantes amapaenses do Colégio Santa Bartolomea Capitanio, estão em fase de finalização de duas sondas que serão lançadas no espaço no próximo dia 24 de junho. O resultado do experimento será analisado pelo grupo Zenith, que está envolvido na Missão Garatéa, primeira missão lunar brasileira.

As sondas chamadas de PongSat e CanSat serão lançadas a uma altitude de 30 km. No percurso até o fim da Atmosfera, elas estarão sujeitos a condições inóspitas como baixas temperaturas de até -80 °C, baixa pressão atmosférica e altos índices de radiação.

Os estudantes fazem testes constantes para o experimento chegar ao peso ideal. Fotos: Cássio Renato

A primeira sonda é a PongSat, desenvolvida por alunos do ensino fundamental. Ela tem o tamanho equivalente a uma bola de ping pong podendo pesar no máximo 20 gramas. Ela levará uma amostra de bactérias ao espaço.

A outra sonda é a CanSat, que tem o tamanho referente a uma lata de refrigerante de 300ml e pode  pesar no máximo 120 gramas. Nela estão contidos dados eletrônicos para medir variações da temperatura, clima e radiação.

“Quando a PongSat voltar, os estudantes irão analisar as mudanças da bactéria com uma amostra de referência que ficou na Terra. Os dados serão cruzados com a CanSat e a analise será enviada ao grupo Zenith”, explicou o orientador e diretor da agência do projeto, Cássio Renato Santos.

Alunos com o orientador Cássio Renato

Todos os experimentos foram elaborados pelos alunos, com um auxílio apenas do professor-orientador no colégio, Cássio, e um co-orientador da Universidade Federal do Amapá (Unifap). As sondas fazem parte do projeto Garatéa-E, desenvolvido pelo Grupo Zenith, da Universidade de São Paulo (USP).

O grande objetivo da atividade é incentivar os jovens estudantes em projetos científicos desde a educação básica. O resultado dos experimentos fornecerá informação sobre como seres terrestres se comportam em ambientes extremos.

Grupo de alunos que está construindo as sondas

O grupo Zenith, dessa forma, pode considerar os dados em futuras missões espaciais, especialmente na Garatéa- L, a primeira missão lunar brasileira programada para 2020.

Ao todo, 10 instituições brasileiras participam do experimento. O Amapá está sendo representado pelos alunos do Bartolomea, do Clube de Astronomia Amapaense- Mirzan e o Ifap de Santana.

Compartilhamentos