Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

A Polícia Civil do Amapá prendeu na noite desta quinta-feira (22), na área central de Macapá, um golpista que vinha sendo procurado em vários estados. Romário Alves Pinto, de 23 anos, é acusado de aplicar uma série de golpes se passando por supervisor de uma empresa de TV por assinatura.

O golpista, que é natural de São Félix do Araguaia (MT), já tinha sido preso no Acre, em 2015, e estava há três meses em Macapá. Ele alugou um pequeno apartamento na Rua Eliezer Levy, no Bairro do Trem.

A prisão foi feita pelo Núcleo de Operações e Inteligência (NOI), depois da informação de que o criminoso estaria se preparando para agir em Macapá. Investigadores do NOI descobriram o endereço exato do estelionatário e fizeram campana no local até ele aparecer, por volta das 19h.

Cartões de débito e crédito com nome falso e registro de empresa. Fotos: Olho de Boto

Dentro do apartamento, os agentes descobriram cartões de bancos e de crédito com nome falso. Ele também teria conseguido abrir uma empresa em Macapá.

“Ainda estamos apurando de que forma que ele usaria esse material que não serviria para esse golpe da Sky. Fizemos a abordagem em cima do mandado de prisão”, explicou o chefe do NOI, delegado Alan Moutinho.

No Acre, a Polícia Civil apurou que Romário Alves Pinto se passava por supervisor da Sky e por meio de uma empresa ele conseguia uma habilitação de 150 pontos, por R$ 2,4 mil mensais.

Em seguida, ele alugava os pontos por R$ 100, cada, alcançando um faturamento mensal de R$ 15 mil. No Acre, ele declarou ser dono de imóveis (entre eles uma Fazenda), carros e armas, e que tinha um rendimento de aproximadamente R$ 50 mil. Os golpes teriam sido aplicados em Alagoas, Goiás, Mato Grosso e no Espírito Santo, e teriam rendido pelo menos R$ 2 milhões.

Delegado Alan Moutinho: criminoso estava preparando algo

Criminoso chegou a ficar preso no Acre, mas logo foi solto

Menos de dois anos depois de ser preso no Acre, ele foi solto e agora preso novamente em Macapá, onde, por enquanto, será indiciado foi falsificação de documentos.

A Polícia Civil do Amapá ainda não sabe dizer se ele chegou a aplicar golpes em Macapá.

“Esperamos receber essas informações com a divulgação da prisão dele”, finalizou Alan Moutinho.

Compartilhamentos