Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Um amapaense defensor de uma alimentação saudável, quer popularizar o consumo de plantas alimentícias não convencionais (Pancs) no Estado. Por meio de palestras e excursões pelas ruas da capital, Nelson Monte apresenta as inúmeras plantas que podem ser consumidas cruas ou cozidas.

Essas plantas estão espalhadas pelas matas e áreas urbanas. Algumas são usadas como ornamentos, mas a beleza esconde o seu verdadeiro poder. A maioria é rica em nutrientes e vitaminas.

Algumas estão prontas para o consumo, basta apanhar e comer. Outras têm que passar por um processo de cozimento. O consumo tem sido estimulado há dois anos por meio de grupos de debate e excursões como a que aconteceu no dia 20 de maio, em Macapá.

“Marinha Pretinha”, encontrada na Avenida FAB. Fotos: André Silva

O conhecimento sobre as plantas veio por meio de um livro lançado pela Embrapa que traz como tema as “Plantas Alimentícias não convencionais do Brasil”. A obra reúne mais de 300 espécies de plantas comestíveis.

“Quando o livro chegou, formei grupos e agora já estamos no quinto, de tão apaixonado que fiquei. Conseguimos um estande na Expofeira em 2014 no sítio do Rurap, onde plantamos algumas Pancs e expusemos a semana inteira”, lembrou Monte.

Livro lançado pela Embrapa em 2014

300 espécies que podem ser consumidas, entre elas a papoula

Em Macapá, ele já cadastrou mais de 30 espécies, entre elas está a “Maria Pretinha”, muito comum na Avenida FAB, no Bairro Santa Rita. É uma planta que dá um fruto com a cor do açaí. Ela é rica em antocianina.

“O pessoal chama de mato. O fruto verde é venenoso, mas o roxinho você pode comer. A folha pode ser comida cozida”, explicou.

Nelson Monte: convite para quem quiser conhecer mais sobre as Pancs

 

Outra, como a papoula vermelha, muito comum nos quintais de famílias por todo o Brasil, também pode ser usada como alimento. No Amapá, o pesquisador explica que as flores do jambeiro são comestíveis, e delas é possível fazer uma salada ou até mesmo um mousse.

Para mais informações sobre as excursões que ainda serão realizadas em Macapá este ano, as pessoas podem se informar por meio da página do movimento no facebook “Pancs-AP”.

Compartilhamentos