Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Uma equipe de policiais militares conseguiu localizar no fim da tarde desta quinta-feira (29), seis acusados de participar da morte de um homem durante uma bebedeira no último domingo (25), na comunidade de Tucano II, município de Pedra Branca do Amapari, cidade a 185 quilômetros de Macapá.

A vítima foi Antônio Cícero da Silva Albuquerque, de 39 anos, que morreu ainda no local com um golpe de terçado no pescoço. O homicídio ocorreu no início da noite. Testemunhas informaram para a PM quem eram os homens que estavam bebendo com a vítima que depois foi encontrada morta.

Espingarda que estava escondida por Negão

Nesta quinta-feira, por volta das 18h, uma equipe comandada pelo sargento Jorge Sá conseguiu localizar ainda na vila de Tucano II, o braçal Raimundo Nonato Correa , o “Negão. Ele mostrou onde uma espingarda estava escondida, mas negou participação no crime.

Ele admitiu que estava bebendo com a vítima e mais cinco pessoas, mas que se retirou do local depois que houve uma briga. O acusado levou os policiais nas casas dos outros acusados que deram a mesma versão. Contudo, os argumentos não convenceram os policiais que acharam que parecia algo combinado. Para a PM, só eles podem esclarecer o que ocorreu.

Eles foram detidos e levados para a Delegacia de Polícia para prestar depoimento. Entre os acusados, está Geovane Saraiva de Souza, de 29 anos, que já foi condenado por dois homicídios ocorridos em 2007 e 2016. Ele também é suspeito de matar um jovem a facadas em 2015, também em Pedra Branca do Amapari.

Outro que estava no grupo, Matias do Nascimento, de 34 anos, também cumpriu pena de 7 anos no Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen) por assalto.

Como não havia mais o flagrante e nem prisão decretada, todos foram liberados. Caberá ao Departamento de Polícia do Interior (DPI) determinar a abertura de inquérito.

Em Pedra Branca, a delegacia está sem delegado. O delegado Roberval Rangel está em licença médica e só retorna em agosto. Até lá, os flagrantes são feitos por um delegado do município de Santana, que é deslocado até a cidade sempre que necessário.

Compartilhamentos