Compartilhamentos

SELES NAFES

O homem preso pelo assassinato do publicitário Andrey Smith Malcher, de 28 anos, negou ter desferido os golpes que mataram a vítima durante um assalto na noite do domingo (16), no Centro de Macapá. O acusado responsabilizou um menor pelo crime.

O advogado Hugo Silva, que defende Alan Rafael, de 30 anos, disse que o menor foi visto por testemunhas na garupa do acusado no momento do assalto.

“Há, inclusive, esse relato nas redes sociais. Vamos tentar uma redução de pena por participação acessória. Ele não participou diretamente. O menor pegou o celular da vítima, montou na garupa de novo, mas foi quando caiu a corrente da bicicleta. Foi ele quem desferiu as três facadas e depois fugiu”, garante o advogado.

Andrey Smith era publicitário e professor de dança. Foto: Reprodução/Facebook

Segundo ele, Alan Rafael não sabe o nome e nem como localizar o menor.

“Ele conheceu o menor na Praça da Bandeira, onde estavam bebendo e fumando maconha. Foi lá que eles decidiram fazer um assalto”, acrescentou.

O publicitário morreu ainda no local do crime devido à gravidade das lesões no pescoço e no tórax. Alan Rafael foi imobilizado por populares a poucos quarteirões do local, e preso por uma equipe da PM.

Advogado diz que testemunhas viram o menor na garupa da bicicleta do acusado

Advogado Hugo Silva: participação acessória

Sobre o sangue na bermuda dele, o advogado diz que foi fruto das agressões que ele sofreu durante o linchamento. 

Alan Rafael já responde a dois inquéritos por roubo e receptação, e tinha um mandado de prisão em aberto por tentativa de homicídio.

Na audiência de custódia realizada nesta segunda-feira (17), o juiz Rogério Funfas converteu o flagrante em prisão preventiva pelo novo crime. Ele será transferido para o Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen).

Compartilhamentos