Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Logo após a operação saturação do 6º BPM na zona leste de Macapá, houve duas ocorrências com disparos de arma de fogo no Bairro Cidade Nova. Em um dos casos, um ex-detento do Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen) morreu ferido a tiros.

Os casos estão relacionados e podem estar relacionados com acerto de contas. Segundo testemunhas, os disparos foram feitos pelos mesmos homens usando a mesma motocicleta, mas em horários diferentes. O primeiro crime ocorreu às 18h, e o segundo por volta das 19h30min.

A primeira vítima foi identificada como Paulo José dos Santos Trindade, de 26 anos, que já responde a processo por homicídio.

Policiais haviam acabado de fazer uma operação saturação na zona leste. Fotos: Olho de Boto

As duas ocorrências estão relacionadas, e podem ser acerto de contas

De acordo com a PM, ele estava sentado na entrada de uma passarela de madeira na Rua Rio Japurá, por volta das 18h, quando chegaram dois homens em uma motocicleta cor de vinho, e placa não identificada.

Um dos criminosos disparou várias vezes, mas conseguiu atingir somente uma das pernas da vítima que foi conduzida sem gravidade para o Hospital de Emergência de Macapá.

Uma hora e meia depois os atiradores voltaram a agir, desta vez na Passarela Santa Cruz. O alvo era Railan Baia de Oliveira, de 26 anos, com passagem pelo Iapen por roubo.

Railan Oliveira já tinha passagem pelo Iapen por roubo

“O Railan estava sentado na frente de sua residência, e uma moto com a mesma cor chegou e efetuou vários disparos”, comentou o tenente Josiagab, do 6º BPM. Os criminosos ainda não foram presos.

Horas antes, a PM havia feito uma operação saturação no Cidade Nova, Perpétuo Socorro e Pacoval. Um procurado pela justiça e um ladrão preso em flagrante foram conduzidos para o Ciosp.

“Essas situações (tiros) são difíceis de prever porque são crimes premeditados. Mas a PM estava atuante no bairro, e inclusive recuperando objetos furtados. Falta de policiamento não foi”, avaliou o sargento.

Tenente Josiagab: não há como prever os crimes premeditados

Compartilhamentos