Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

A Festa de São Tiago deste ano já é considerada a maior de toda a história do evento, que existe desde 1777, quando as primeiras famílias do Marrocos (África) chegaram à região fugindo da guerra entre cristãos e muçulmanos. Até a terça-feira (25), mais de 50 mil pessoas, de acordo com cálculos da Polícia Militar do Amapá, haviam passado pela festa que só encerrará no próximo dia 28.

A programação iniciou no dia 16, mas o auge é o Dia de São Tiago, feriado estadual. O teatro a céu aberto pelas ruas de Mazagão Velho narra os principais momentos do soldado Tiago nas vitórias dos cristãos sobre os mouros, como o Baile de Máscaras, episódio sangrento da guerra, e a encenação da grande batalha.

Missa campal ao lado da capela do santo. Fotos: Phillipe Gomes/GEA

Círio transporta imagem de São Tiago

Momento para pagar promessas

Governador Waldez Góes ao lado da família

Terça-feira também foi o Dia do Círio. Antes da procissão, no entanto, uma missa campal na praça ao lado da Capela de São Tiago marcou o início do ponto alto da programação.

Duzentos e quarenta anos depois, a Vila de Mazagão Velho reconta a mesma história e atrai visitantes cada vez mais, especialmente após a inauguração da Ponte do Matapi.

Ainda na terça, os mazaganenses e turistas prestigiaram uma grande programação cultural, com artistas como Finéias Nelluty e a Banda Fruto Sensual.

A Festa de São Tiago foi organizada pelo governo do Estado e a prefeitura de Mazagão. 

Fineias Nelluty foi uma das atrações do ponto alto da festa

Baile de Máscaras também é encenado há mais de 200 anos

Moradores capricharam no terror

Compartilhamentos