Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Três homens foram presos entre a madrugada e a manhã deste sábado (22), acusados de participação num assassinato ocorrido em um restaurante no município de Pedra Branca do Amapari, distante 183 quilômetros de Macapá.

O crime ocorreu por volta de 1h30. A vítima, Carlos Alberto Santos, de 30 anos, foi morto a golpes de terçados, segundo testemunhas, por um grupo de cinco indivíduos. O homem era recém-chegado na cidade e antes morava em Macapá, no Bairro Congós.

O primeiro a ser capturado, foi Luiz Carlos Tiago Braga, de 20 anos. Ele foi interceptado na pista de voo da cidade, que está desativada e serve como atalho para outros bairros do município. O criminoso portava uma das armas brancas usadas no crime. O material tinha ainda sangue da vítima, segundo o a polícia.

Luiz Carlos foi preso na madrugada, portando ainda um dos terçados

O acusado confessou para a equipe do 7º Batalhão da Polícia Militar (7º BPM) que o prendeu que participou do crime por motivo de rixas com a vítima, mas não deu detalhes. 

Luiz Carlos revelou também a participação de outros quatro comparsas no crime, todos identificados por apelidos: Jacaré, Baco, Gringo e Tucano, este último sendo pai de Baco. Segundo o acusado, o pai de Baco teria desferido várias terçadadas contra a vítima. 

Pai e filho, Tucano (esquerda) e Baco (direita) foram presos pela manhã

Após prender o primeiro envolvido, os policiais prosseguiram com as buscas pelos criminosos até que, por volta das 10h30, por meio de denúncias anônimas, localizaram outros dois infratores no Bairro Reviver, na Perimetral Norte. José Raimundo Gadelha Moraes, de 49 anos, o “Tucano” e, seu filho, Jaymison Pimentel Moraes, de 20 anos, o “Baco” estavam escondidos em uma residência na área indicada.

De acordo com o sargento Jorge Sá, os três envolvidos no crime foram encaminhados para a delegacia de Pedra Branca para as devidas providências. Outros dois participantes do homicídio teriam empreendido fuga também até a pista de voo. O paradeiro dos mesmos é ainda desconhecido pela polícia.

Compartilhamentos