Compartilhamentos

FERNANDO SANTOS

Na noite de quinta-feira (13) em Macapá, capital do Amapá, entidades sindicais, movimentos sociais, grupos políticos de esquerda, além de outras lideranças que compõem a “Frente Brasil Popular Amapá”, se uniram em defesa do ex-presidente Lula, que foi condenado em primeira instância, pelo juiz Sérgio Moro, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A acusação se refere a suposta camuflagem na aquisição de um apartamento triplex, no Guarujá, litoral do Estado de São Paulo.

Na plenária, ocorrida na sede do Sindicato dos Urbanitários, a esquerda amapaense acusou o juiz Sérgio Moro de condenar o ex-presidente Lula sem provas materiais, “apenas por convicção”.

Petistas e apoiadores do ex-presidente prestaram solidariedade. Fotos: Fernando Santos

“O presidente Lula é uma pessoa honrada. Foi o presidente que colocou o país na sexta economia mundial. Estamos protestando aqui pela injustiça que hoje foi com Lula, amanhã pode ser com qualquer um de nós”, disse o presidente do PT-AP, Antonio Nogueira.

“Lula foi o primeiro operário presidente do Brasil e agora está sendo julgado politicamente sem qualquer prova. Isso ataca o estado democrático de direito no Brasil”, ressaltou o presidente da Central Única dos Trabalhadores-CUT/AP, Geovane Granjeiro.

O Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores convocou um novo ato em defesa de Lula, que será realizado em todas as capitais brasileiras, no próximo dia 20 de julho.

Presidente estadual do PT, Antonio Nogueira (centro): injustiça da qual Lula é vítima atinge todo o PT

Compartilhamentos