Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Uma discussão entre vizinhos envolvidos em crimes terminou com a morte de um deles na madrugada desta sexta-feira (4), na zona sul de Macapá. Quatro pessoas foram presas, três delas da mesma família.

O homicídio ocorreu depois da meia-noite numa comunidade de pontes conhecida como Vila Madalena, localizada na Passagem do Malha, no Bairro Universidade.

Quando os policiais do 1º Batalhão da PM chegaram ao local, já encontraram a vítima agonizando numa calçada e com muito sangue pelo corpo. Equipes do Corpo de Bombeiros chegaram rapidamente ao local, mas ele já havia morrido pela gravidade dos ferimentos.

Testemunhas informaram à Polícia Militar que o autônomo Ivaldo Gomes Cutrim, de 43 anos, conhecido na comunidade como “Maranhão”, foi morto a pauladas durante desentendimento com vizinhos.

Maranhão morreu ainda na calçada. Fotos: Olho de Boto

Crime ocorreu no Bairro Zerão. Vizinhança diz que todos são envolvidos com crimes

Pelo menos 4 pessoas teriam participado do crime.

Foram detidos: Carlos Henrique Mota, de 43 anos; a esposa dele, Virgínia Oliveira Cruz, da mesma idade, o filho do casal menor de 17 anos, e um amigo da família identificado como Patrick de Almeida, de 18 anos, que também teria ajudado nas agressões.

Carlos Henrique está internado no Hospital de Emergência de Macapá com ferimentos produzidos por terçado.

“Os familiares do senhor Carlos (Henrique) foram acima da vítima (Maranhão) e acabaram desferindo pauladas. São bandidos conhecidos na área. O pai saiu para defender os filhos e foi discutir com a vítima. Esses elementos não são queridos na vizinhança. Ficam fazendo assaltos naquela região, ninguém fala bem deles”, comentou o aspirante Araújo, do 1º BPM.

Amigo da família, Patrick Almeida também foi preso

Aspirante Araújo: são todos envolvidos com crimes

Patrick de Almeida foi preso numa residência próxima depois que a PM foi informada por populares sobre a localização dele.

Carlos Henrique foi atendido no Hospital de Emergência com uma terçadada em uma das mãos, e recebeu voz de prisão. Contudo, no Ciosp do Pacoval, o menor assumiu sozinho a morte de Maranhão.

“Ele machucou o meu pai dando terçadada nele. (…) Ele (Maranhão) tava morte e foi lá ameaçar o meu pai. (…) Eu não fugi. Fiquei aguardando no hospital”.

Ouça o que disse o menor

Compartilhamentos