Compartilhamentos

SELES NAFES

Como o macapaense adora visitar as praias do Pará, aqui vai uma dica preciosa para quem pensa que apenas no Atalaia (Salinópolis) é possível encontrar praia bonita, serviços e diversão. Dirigindo bem menos, é possível chegar à bela Praia do Crispin, no município de Marapanim.

O Crispin tem o mesmo nível de serviços da Praia do Atalaia. É o mesmo que olhar para o Atalaia, mas sem os carrões importados, motos e triciclos que passam a todo instante. A comunidade não tem a mesma infraestrutura sofisticada de Salinas, mas possui muitas opções de entretenimento e beleza natural.

Praia com areia clarinha e água limpa. Fotos: Seles Nafes

Salva-vidas atentos

Paulo faz sucesso vendendo ostras

Distância

Do Entroncamento (Belém) para Salinópolis é preciso dirigir 225 quilômetros, o equivalente a 3 horas e meia de carro. A viagem não é mais rápida porque há necessidade de reduzir a velocidade nas dezenas comunidades ao longo da BR-316, onde existem muitas lombadas e tachões.

Diferentemente de Salinópolis, o município de Marapanim fica a 160 quilômetros. Quem parte do Entroncamento dirige 70 quilômetros até a Cidade Modelo de Castanhal, um dos maiores polos pecuários do Pará.

No centro comercial de Castanhal, ainda na BR-316, existe o acesso para a rodovia estadual PA-136. Daí em diante serão 90 quilômetros até Marudá, distrito de Marapanim.

Crispin lembra um pouco a Praia do Atalaia, mas sem os carros importados na paisagem

Marudá: orla tem várias opções de restaurantes, lanchonetes e bares com preços bem justos

Marudá é uma praia urbanizada, porém, pequena em relação ao Atalaia. Entretanto, na orla ficam muitas pousadas, bares e restaurantes. Dormir em Marudá é uma boa pedida, porque os visitantes levam cadeiras de praia para passar a noite inteira na praia. Alguns acendem fogueiras, e o papo vai até altas horas. 

No dia seguinte é só dirigir cerca de 18 quilômetros até Crispin. A praia tem maré alta 1 vez por dia, e muda de horário dependendo da época do ano. Mas a faixa de areia é enorme.

Em Crispin, o que não falta é opção para almoçar e espaços para apreciar o Oceano Atlântico com água bem limpinha. Os garçons atendem nas barracas com simpatia e eficiência.

Orla de Marudá, onde os visitantes levam cadeiras de praia durante a noite e acendem fogueiras

Maré recua 1 vez por dia em Crispin e Marudá

Uma porção de caranguejo com seis unidades, farofa e salada custa apenas R$ 30 na alta temporada. A cerveja (600 ml) sai em média por R$ 9. Algumas marcam custam menos. A diária nas pousadas de Marudá oscilam entre R$ 90 e R$ 200. 

Exite ainda outra praia mais isolada da agitação, e que começa a ser bastante frequentada pelos mais aventureiros. É Vale Camará, que não deu tempo de conhecer em dois dias de passeio. Mas todos que vão dizem ser um paraíso. 

Assim como Salinas, Crispin e Marudá valem o passeio em qualquer em qualquer época do ano. 

Compartilhamentos