Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

As moradoras da zona sul de Macapá tiveram a oportunidade de saber um pouco mais sobre a Lei Maria da Penha, que completou 11 anos de criação nesta semana. O encontro foi na quarta-feira (9) no Conjunto Habitacional São José, e foi organizado pelo Centro de Referência de Atendimento a Mulher (Cram). 

Muitas mulheres vindas de bairros próximos ao conjunto São José, como Congós, Buritizal, Muca e adjacentes, foram assistir palestras conduzidas por técnicos do Centro. Elas receberam informações sobre a lei e seus efeitos sobre o agressor.

De acordo com o Cram, o Congós é o bairro de Macapá onde o índice de violência à mulher é mais alto. 

Anne Pariz, da PMM: ação mostra para mulheres existência de outros tipos de violência além da física. Fotos: André Silva

Anne Pariz, da Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres, disse que o local foi escolhido estrategicamente porque está próximo aos bairros que contém os maiores índices de violência contra a mulher. 

“A dinâmica aqui hoje foi mostrar para elas como usar a lei e quando usar. E dizer que a violência que existe não é só física, é psicológica também, patrimonial e moral. Elas interagiram muito com perguntas para  a equipe que trabalhou hoje aqui ” relatou a coordenadora. 

Participantes do evento: informação para combater a violência

A professora de educação física, Marclivania Maramalde desenvolve um projeto de dança dentro da comunidade. Ela conta que é muito comum ouvir relatos de violência entre suas alunas. 

“Algumas já relataram sobre isso sim. Infelizmente torna-se cada dia mais normal, você ouvir relatos sobre isso. Não que seja normal, porque não é”, protestou a professora. ⁠⁠⁠⁠

Marclivania Maramalde: é comum ouvir relatos de violência

Compartilhamentos