Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Francisco Silva Frota Filho, de 49 anos, é  paraense nascido no Município de Almerim.  Ele se considera amapaense porque chegou no estado aos 16 anos, trazido pelos pais. Ele é casado e tem quatorze filhos.

Chiquinho, como gosta de ser chamado, diz que nasceu poeta e que conseguiu desenvolver o talento graças a bons professores que teve quando ainda era criança. Ele lembra com carinho que, aos 11 anos, teve uma professora que lia poesia para os alunos com o intuito de mantê-los calmos.

Trechos da primeira obra do autor. Amigos incentivaram publicação. Fotos: André Silva

“Através daquilo eu fui me inspirando. Como tinha um pouco do dom e não sabia, foi me incentivando e aí  comecei a escrever. Primeiro cartinha, pensamentos e depois  poemas”, lembrou o poeta.

A profissão de vendedor de peixe, Chiquinho conta que herdou do pai que o levava ainda criança para a feira. Ele também foi pescador, mas preferiu se estabelecer como feirante e assim criar os filhos. Hoje ele é presidente da Associação dos Feirantes da Feira do Pescado e tem um box dentro do espaço.

“Meu pai era feirante e nos levava para trabalhar com ele. Escamar o peixe, limpar e carregar, eu adoro ser feirante. Acordar e saber que você está contribuindo com a sociedade é  muito bom”, considerou.

Lançamento do livro foi no local de trabalho do pescador

Para o livro “Amor para Sempre” foram selecionados 81 poemas inéditos escritos pelo poeta.

O lançamento só foi possível graças à persistência dos amigos que o incentivaram a mandar os poemas para uma editora. Ele conta que entre os mais de 300 escritos que tem, selecionou aqueles que mais aproximam do título e que abordam o amor pelo feminino e trazem declarações do carinho que sente pelo Amapá. Assista.

 

“As pessoas perguntam como um vendedor de peixe pode escrever livro. Eu acredito que tudo tem a ver com sonho, dedicação e perseverança”, declarou o poeta.

Quem quiser adquirir o livro Amor Para Sempre, o autor explica, que estará disponível a partir desta segunda-feira (21), nas bancas e livrarias da cidade. Se o leitor não encontrar, pode ligar para  o número 96 98105-0774 e fazer o pedido.

Compartilhamentos