Compartilhamentos

LEONARDO MELO

Uma denúncia anônima levou policiais do Bope até uma residência, no Bairro do Muca, na zona sul de Macapá, onde estava escondido o homem acusado de matar o marido de uma sargento da Polícia Militar do Amapá, no último sábado (23), também no Muca. O suspeito acabou morrendo após uma troca de tiros com os policiais.

O imóvel faz parte de uma vila de quartos alugados na Passarela da Amizade, uma área de pontes do Bairro do Muca.

Assim que os policiais chegaram ao local, na tarde do domingo (24), inicialmente o acusado não foi localizado. De acordo com o Bope, ao checarem o banheiro externo da vila, o criminoso apareceu tentando surpreender os policiais e já efetuando disparos. Ele estava escondido dentro do banheiro.

Júnior Galo morreu no HE. Foto: Arquivo policial

Ele já tinha passagens por roubo, homicídio e tráfico

Os policiais se protegeram e deram ordem para que o criminoso soltasse a arma. Ele não obedeceu, e a equipe revidou alvejando o acusado.

Ele foi socorrido e levado para o Hospital de Emergência de Macapá, onde a equipe médica declarou o óbito.

O criminoso foi identificado como Waldiney Reis Santiago Júnior, o “Júnior Galo”. Ele já tinha passagens pelo Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen) pelos crimes de homicídio e tráfico de drogas. Com ele os policiais apreenderam uma pistola calibre 45, de uso restrito. 

Celular e carteira da vítima foram deixados no local. Fotos: Leonardo Melo

No sábado, o comerciante Adielson Guilherme, de 36 anos, foi até a Rua do Copala, no Bairro do Muca, para fazer a apresentação de café para um suposto cliente. Assim que desceu da moto ele foi alvejado seis vezes, com dois tiros acertando a cabeça da vítima.

A motivação ainda não foi esclarecida, mas a Delegacia de Tóxicos e Entorpecentes (DTE) atribui a execução a traficantes que teriam atraído a vítima para uma armadilha. 

Compartilhamentos