Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

O decorador amapaense que criou uma campanha nas redes sociais para conseguir dinheiro para o traslado do corpo da filha dele que se matou na cidade de Kourou, em Caiena, na França, disse que não conseguiu o valor suficiente para o custeio. O homem desistiu da ação, mas promete fazer um grande cortejo pelas ruas do bairro aonde mora, em Macapá, para homenagear a filha.

Menina se matou aos 16 anos Foto: Arquivo Pessoal

Ashiley Ataíde Brassoloux, de 16 anos, foi encontrada morta na sexta-feira (15), na casa onde morava com a avó, naquela cidade. Ela era filha de criação do decorador Marcio Brandão, tio do pai biológico da menina, que a entregou para ser cuidada pelo homem depois de separar-se da mãe dela. À época, Ashiley tinha 2 anos.

Brandão conta que a filha deixou o Amapá aos 13 anos a pedido da avó, que queria oferecer uma educação melhor para a neta em Caiena.

“Todo mundo que me conhece, conhecia a minha filha. Eu caducava por ela. Ela tinha tudo. Minha filha cresceu e quando completou 13 anos a avó dela pediu para levá-la. Levou minha filha para a morte”, lamenta Brandão.

A menina será sepultada no cemitério da cidade onde morava. Em Macapá, uma programação especial está sendo preparada pelo pai de Ashiley para a despedida dela.

“Estou recebendo ajuda de amigos para fazermos algumas camisas com a foto dela, porque tem muita gente que vai passear com a gente fazendo a última homenagem para a minha filha. Ela vai ser enterrada lá e nós faremos uma missa aqui. Vou fazer tudo lindo. Por onde passar quero flores e aplausos para ela”, falou o pai, emocionado.

O decorador disse que recebeu a notícia da morte da filha por meio de um sobrinho que ligou para ele no domingo. Ele estava em uma agência de viagem para comprar uma passagem para Belém aonde faria uma cirurgia.

O grande cortejo de despedida vai acontecer na quinta-feira (21), na Avenida Engenheiro Joaquim, no bairro Nova Esperança, a partir de 17h.

Compartilhamentos