Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

O Ministério Público do Amapá ingressou com ação de improbidade administrativa contra a deputada estadual Mira Rocha (PTB). Segundo a denúncia, a parlamentar teria recebido mais de R$ 305 mil, em valores atualizados, por aluguéis de veículos. 

A ação, que é assinada pelo promotor Afonso Guimarães, da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público (Prodemap), acusa a deputada de enriquecimento ilícito. De acordo com a denúncia, entre setembro de 2011 e dezembro de 2012, a parlamentar teria recebido R$ 133 mil de verba indenizatória por falsas despesas com locação de carros. O promotor chegou ao valor de R$ 300 pela correção da inflação. 

O promotor afirmou na ação que as notas fiscais apresentadas eram frias.

“(…) Segundo o proprietário da empresa responsável pelas supostas locações, embora tenha assinado contrato para alugar os veículos, não houve essa concretização. Vale frisar ainda, que esta ação é remanescente da Operação Eclésia realizada em maio de 2012, a qual já rendeu mais de 60 (sessenta) ações judiciais por desvios de dinheiro dos cofres da Alap, inclusive registrando várias condenações”, diz trecho da ação. 

É a segunda ação pena contra a deputada em menos de 30 dias. No dia 28 de agosto, Mira Rocha também foi denunciada pelo aluguel de uma residência no município de Santana. Ela teria recebido mais de R$ 83 mil também de verba indenizatória.

Contudo, o MP constatou que a residência, onde mora uma família, nunca foi usada como extensão do gabinete da deputada. 

Compartilhamentos