Compartilhamentos

SELES NAFES

Um ex-instrutor de auto escola foi preso nesta sexta-feira (1º) acusado de oferecer facilitações para candidatos na prova prática do Detran do Amapá. O episódio ocorreu na cidade de Santana, a 17 quilômetros de Macapá, e foi denunciado pela própria candidata.

A prisão foi feita por dois examinadores do Detran depois que a candidata percebeu que foi aprovada sem interferência do acusado. Ela decidiu confessar que havia pago R$ 300 para que ex-instrutor interferisse no resultado usando uma suposta influência sobre os examinadores do Ciretran, a representação do Detran em Santana.

O acusado foi conduzido para a delegacia de polícia, onde confessou o crime.

“Era a terceira vez que ela fazia a prova, e ele disse pra ela que se não pagasse os R$ 300, ele tinha como interferir para que ela não passasse. Ele ficou lá cercando o local, para acompanhar se ela ia passar”, comentou o diretor do Detran, Inácio Maciel.

“Quando ela viu que passou por mérito, ela contou aos examinadores e apontou de dentro do carro quem era a pessoa. A equipe foi lá, e abordou. Os examinadores eram dois policiais militares”, acrescentou o diretor.

Diretor do Detran, Inácio Maciel: mais segurança nas provas práticas. Foto: Arquivo/SN

Na delegacia, Rodrigo Silva Rocha revelou que estava jogando com a sorte. Se a candidata passasse, ele pretendia ficar com o dinheiro. Se não passasse, devolveria o valor.

O acusado foi autuado por estelionato e encaminhado para a audiência de custódia. A candidata não será processada porque foi considerada vítima.

O diretor do Detran disse que a segurança da prova prática está cada vez mais eficiente, e que nem os examinadores têm acesso às datas de provas dos candidatos, em função de um novo sistema que gerencia o calendário dos exames.

Compartilhamentos