Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Tragada por uma espiral de homicídios, a cidade de Santana “pulou” um fim de semana. Desta vez, não houve mortes violentas entre a sexta-feira (22) e o domingo (24), graças à Operação Grifo, deflagrada pelo 4º Batalhão da PM com apoio de batalhões táticos como o BRPM, que inaugurou uma nova forma de policiamento ostensivo.

Os policiais escolheram o nome mitológico da operação por um motivo bastante simbólico. O Grifo é um animal imaginário com asas de águia e cabeça de leão.

“Escolhemos o nome porque demonstra o poder das forças de segurança pública dando uma resposta para a sociedade”, justificou o comandante do 4º BPM, tenente-coronel Aldinei.

Policiais de vários batalhões participaram da mega operação. Fotos: Olho de Boto

Operação foi comandada pelo 4º BPM, e foco nos pontos mais críticos e movimentados

E a PM demonstrou força. O foco foram os locais mais críticos e movimentados de Santana. Um dos locais foi o Beco do Beringela, na Área Portuária, onde um bebê de apenas dois meses foi encontrado sem os pais. O local é uma “cracolândia”. A criança foi acolhida pelo Conselho Tutelar, e os pais serão processados depois que foram identificados.

Ao todo, 265 pessoas foram abordadas durante a operação, sendo que 22 foram conduzidas para a delegacia de polícia.

Trânsito também recebeu atenção especial

BRPM colocou um novo modelo de policiamento

Desse total, 4 estavam com mandados de prisão, e um era foragido da Justiça.

O trânsito também recebeu atenção especial. Foram abordados 185 veículos, sendo que 12 foram recolhidos.

O comandante do 4º BPM explicou que o objetivo não era apenas frear os homicídios, mas também 32 modalidades de crimes mais recorrentes, como furtos e roubos.

“O crime se movimenta no território das mais diversas formas, (…) mas estaremos sempre apresentando essas respostas”, garantiu.

Tenente coronel Aldinei: demonstração de força

Comandante do BRPM, André Luiz: policiamento vai continuar dinâmico

Força tática

O BRPM inaugurou um policiamento ostensivo que consiste num patrulhamento com o maior número possível de carro e motos. O BRPM ficou com os pontos mais críticos de cidade durante a Operação Grifo.

“Focamos em três pontos que estavam com picos de ocorrências: o Ambrósio, Remédios I e II. (…) E isso reduziu até as ocorrências na capital”, comentou o major André Luiz, comandante do BRPM.

O comandante disse que o policiamento do BRPM vai continuar dinâmico, ou seja, vai se deslocar com força máxima para qualquer ponto de Macapá e Santana, sem precisar necessariamente ser acionada pelo 190.

“Não estamos mais atrelados a uma área da cidade. Esse novo policiamento incorpora Macapá e Santana. Essa força se deslocará de maneira mais rápida e sempre em comboio tático”, adiantou.

Compartilhamentos