Compartilhamentos

SELES NAFES

O juiz Fábio Amaral, da 1ª Vara Cível de Santana, cidade a 17 quilômetros de Macapá, determinou o bloqueio de bens do empresário Elton Félix Gobi Lira até o limite de R$ 1,1 milhão. A decisão foi dada em uma ação movida pela Sanprev, instituto que administra o fundo de pensão dos servidores da prefeitura.

O caso já é investigado pelo Ministério Público do Estado. A Sanprev contratou a empresa Êxito Assessoria, de Lira, para que esta pudesse captar recursos no mercado futuro.

A empresa, que não tinha autorização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão regulador subordinado ao Ministério da Fazenda, recebeu repasses de R$ 300 mil e R$ 546 mil da Sanprev para fazer a aplicação na bolsa de valores.

Elton Lira segue preso em Belém, agora com bens indisponíveis. Foto: Arquivo/SN

Segundo a polícia do Estado do Pará, onde Elton Lira está preso preventivamente desde julho, a empresa falsificava boletos para que os investidores pensassem que o dinheiro realmente estava sendo aplicado. O golpe teria sido aplicado em investidores pequenos e municípios paraenses.

No caso do município de Santana, o crime só foi descoberto quando a nova gestão, no início deste ano, solicitou o resgate de parte do valor e não obteve resposta.

A ação pede reparação de danos morais em R$ 2 milhões, além da devolução do valor corrigido. Esta semana, o STJ negou habeas corpus ao empresário.

Compartilhamentos