Compartilhamentos

LEONARDO MELO

Pelo menos 6 mortes por execução ocorreram entre a noite de quinta-feira (19) e a madrugada desta sexta (20) em diferentes bairros de Macapá. Houve ainda mais duas tentativas de homicídio, mas as vítimas sobreviveram e estão em estado grave no Hospital de Emergências (HE).

As execuções em série começaram por volta das 23h. A primeira morte ocorreu na Rua Dr. Braulino, Bairro Universidade. Em seguida, simultaneamente, três homens foram atingidos a tiros na Vila Miséria, também no Buritizal, sendo que uma das vítimas morreu no local. No mesmo horário, um outro homem foi alvejado quando caminhava próximo da Ponte do Bairro das Pedrinhas, na Avenida Equatorial, ele foi socorrido porém morreu no HE.

Execução no Novo Horizonte. Fotos: Leonardo Melo

As vítimas são:

Alexandre de Freitas Leão, 19 anos (Pedrinhas)

Lucas da Cruz Corrêa, 22 anos (Universidade)

Stanley Lobato Mira, 24 anos (Buritizal) 

Breno Ruan Lima de Souza, 22 anos (Cidade Nova)

John Lenon Mourão Feitosa, 34 anos (Marabaixo)

Dinaldo Macedo de Lima ,29 anos (Novo Horizonte)

Feridos

Arlon Moraes de Melo, 35 anos (Buritizal)

Jonatas Moraes de Melo, 19 anos (Buritizal)

 

Encapuzados

De acordo com parentes de uma das vítimas do Bairro Buritizal, na Vila Miséria, homens encapuzados foram vistos após as execuções em um carro preto.

“Desceu um encapuzado do carro. Meu irmão estava no canto de casa, ele não é bandido. Estavam num Pálio preto 4 pessoas, todos encapuzados. Meu irmão não devia. Foram só tiros na cabeça e um na costela. Todos esses mortos foi tiro na cabeça”, disse muito emocionada uma parente.

Perícia remove corpo no universidade

Munição descarregada no Novo Horizonte

A última morte foi registrada por volta das 2h30, no Bairro Novo Horizonte. Dinaldo Macedo de Lima, de 29 anos foi executado em via pública. Segundo uma testemunha que preferiu não se identificar, a vizinhança acordou com o barulho dos tiros e encontrou o corpo da vítima no chão. Um carro vermelho que não foi possível identificar foi visto saindo do local.

“De dez a doze tiros rápidos, deu pra ouvir a zoada dos tiros e depois o corpo no chão. Acordei pelos tiros. Esse rapaz trabalhava no comércio daqui de perto”, comentou a testemunha.

A Polícia Militar ainda não manifestou posicionamento sobre os assassinatos em série, se são uma ação combinada ou fatos isolados. Porém, informou que a cúpula da Segurança Pública está em reunião durante esta manhã e deverá informar horário de uma coletiva de imprensa ainda hoje. 

Familiares acompanham vítimas no HE

Compartilhamentos