Compartilhamentos

SELES NAFES

O prefeito de Macapá, Clécio Luis (REDE), decidiu começar uma campanha para tentar convencer a bancada federal a incluir a capital na destinação de uma emenda coletiva de R$ 100 milhões, que será indicada por senadores e deputados federais no orçamento da União em 2018. Nos bastidores, existe uma disputa com a classe política de Santana que também está pressionando fortemente a bancada. 

Há duas semanas, o prefeito de Santana, Ofirney Sadala (PHS), e a deputada federal Marcivânia Flexa (PCdoB), iniciaram uma peregrinação em Brasília atrás de apoio. De gabinete em gabinete, eles conseguiram adesões da bancada para que a emenda impositiva seja destinada toda para a segunda cidade mais populosa do Amapá.

A movimentação de Santana foi forte, e acendeu a luz amarela na capital.

“Pela primeira vez temos a possibilidade de termos uma emenda de bancada impositiva para o município de Macapá. Descobrimos que existe uma pressão muito grande do nosso vizinho, Santana, para que a emenda seja integralmente destinada pra lá”, diz o prefeito no início de um vídeo que circula nas redes sociais.

“Eu acho justo. O que não acho justo é que Santana receba sozinho. Temos responsabilidades aqui em Macapá também”, justifica.

Clécio lembra que só nas áreas de ressaca de Macapá moram entre 100 mil e 120 mil pessoas que também precisam de investimentos em infraestrutura. Além disso, metade das ruas de Macapá nunca recebeu asfalto, e a prefeitura não está recebendo ajuda financeira do governo do Estado.

“Não queremos excluir Santana, mas que essa emenda seja destinada à região metropolitana de Macapá, Santana e Mazagão”, defende.

Dia 3 de outubro: vereadores de Santana, Ofirney Sadala e Marcivânia em Brasília pressionando bancada

O prefeito diz que já conversou e recebeu apoio da  Câmara de Vereadores, e que agora precisa do apoio da população.

“Você que mora nos bairros nos ajude nessa campanha. Faça um vídeo e mande para os parlamentares. Vamos conseguir convencer os parlamentares a dividir de forma mais justa esse recurso”, concluiu.

Compartilhamentos