Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Barqueiros que utilizam a orla de Macapá para desembarcar frutas para venda na cidade foram surpreendidos pela fiscalização da prefeitura. Na segunda-feira (6), melancias que chegavam nas embarcações foram apreendidas, e, após autuações aos trabalhadores, os produtos foram liberados.

A prefeitura informou que a ação integra o plano de reordenamento da orla da cidade, recomendado pelo Ministério Público Estadual (MP).

Prefeitura faz ação de reordenamento na orla de Macapá Foto: Ascom/Prefeitura

De acordo com o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Manoel Bacelar, o local correto para embarque e desembarque dos produtos fica em frente a feira do pescado.

Ele afirmou que o espaço conta com uma estrutura pronta para este tipo de atividade.

Bacelar disse que a secretaria vem orientando há vários dias os proprietários de barcos acerca do uso correto do espaço.

“O pessoal aproveitou essa situação e começou a fazer o embarque e desembarque do lado daqui. O agravante dessa situação é que o muro de arrimo está muito deteriorado e pode não suportar a movimentação”, alertou o secretário.

Além da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (Semdec), participaram da ação a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Semduh) e Secretaria Municipal de Manutenção Urbanística (Semur), além da Guarda Civil Metropolitana de Macapá.

O feirante Urbano Chaves, de 34 anos, disse que tem um box de vendas de frutas, junto com a mãe, há mais de 10 anos. Para ele, o desembarque dos produtos na orla de Macapá “facilita a vida do barqueiro que não tem espaço para realizar o mesmo trabalho no local indicado pelos fiscais”.

“Eles vem com o barco cheio, e, para desembarcar, teriam que esperar a vez para encostar. Por aqui a vida deles fica mais fácil e eles voltam logo para casa”, justificou.

Bacelar informou que a prefeitura tem 60 dias para atender à recomendação do MP quanto ao reordenamento que vai desde a sede da Ordem dos Advogados do Brasil Secção Amapá (OAB)  até  o Complexo do Araxá. 

Compartilhamentos