Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Um criminoso que utiliza um carro preto para atirar em pessoas estava desaparecido, mas neste domingo e madrugada de segunda-feira (6) reapareceu. Desta vez, o saldo foi de dois jovens mortos e outros dois gravemente feridos, num intervalo de poucas horas.

Os quatro rapazes deram entrada no Hospital de Emergência de Macapá vítimas de ferimentos por arma de fogo, dois deles sem passagens pela polícia, já chegaram mortos.

As vítimas estavam em via pública, em bairros distintos da zona sul de Macapá, quando foram surpreendidas pelo atirador desconhecido, que de dentro de um carro preto efetuava os disparos.

Num dos casos, uma mulher se desesperou ao ver um dos jovens baleado. Ela entrou em desespero, e orou para que Deus recebesse o sobrinho. 

A onda de violência começou a partir das 23h do domingo, quando a primeira vítima foi baleada.

Crimes foram cometidos por atirador em carro preto. Fotos: Olho de Boto

1º – Tiago Dias de Oliveira, de 20 anos.

Ele foi ferido a tiros, porém sobreviveu ao ataque. De acordo com o Ciodes, ele está em débito com a justiça. Cumpre pena em regime aberto domiciliar com passagem pelo crime de furto.

Tiago estava na Rua Luiz Alves da Cunha, no Bairro dos Congós, quando foi atingido.

2º – Oscar Fernando de Souza Baía, de 19 anos.

O rapaz estava na Passarela Cruzeiro do Sul, no Bairro Jardim Marco Zero, quando foi baleado. Oscar Baía também foi um dos sobreviventes.

Anderson Reis e Anderson Melo chegaram mortos ao HE. Não tinham passagem pela polícia. Foto: Reprodução

3º – Anderson Kleber Cardoso de Melo, 25 anos.

Estava na Rua Minas Gerais com a Avenida 13 de Setembro, no Bairro Nova Esperança. Chegou a ser socorrido, porém, não resistiu aos ferimentos.

Anderson Kleber não tinha passagem pela polícia.

4º – Anderson Nascimento dos Reis, de 22 anos.

Estava na 13 de Setembro, no Cuba de Asfalto. Anderson Nascimento também chegou a ser socorrido, mas morreu no HE. Ele também não tinha ficha criminal.

Entre os mortos está o sobrinho de um policial militar que estava de plantão no HE. O PM viu o sobrinho chegar morto.

Batalhões da Polícia Militar entraram em ação. Foram feitas várias incursões, sem êxito. O atirador conseguiu escapar deixando um rastro de sangue.

No mês passado, uma série de execuções foi atribuída a criminosos num carro preto. 

Compartilhamentos