Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Uma fiscalização que já dura mais de dez dias, busca atividades ilegais em garimpos e outros crimes ambientais dentro e no entorno da Floresta Estadual do Amapá (Flota). A ação é desenvolvida pelo Ministério Público Federal (MPF) e Instituto de Meio Ambiente e Ordenamento Territorial do Amapá (Imap), com o apoio do Batalhão Ambiental da Polícia Militar.

De acordo com o Imap, entre as irregularidades já detectadas, está a retirada ilegal de madeira em tora. Alguns pontos foram localizados, e produto apreendido por falta de documentação de autorização para transporte.

As irregularidades foram encontradas no eixo Sul da região, que abrange os municípios de Pedra Branca, Serra do Navio e Porto Grande.

Os ficais também investigaram uma mineradora especializada na exploração de ouro e ferro no Centro-Oeste amapaense. Eles desceram até duas minas que não possuem autorização para lavra.

“Não encontramos nenhum indício de que essas minas estariam sendo utilizadas, o que configuraria irregularidade, pois são necessárias licenças ambientais específicas para o funcionamento”, informou a coordenadora de Fiscalização do Imap, Edilene Ribeiro.

Uma outra pequena mineradora, na localidade de Cupixizinho, no município de Porto Grande, acabou autuada por descumprimento de uma das condicionantes legais para lavra fora do prazo de validade.

“A mineração é obrigada a implementar um reflorestamento na área que é desmatada para intervenção no terreno e isto tem que ser feito dentro de um prazo legal”, explicou Edilene Ribeiro.

Neste fim de semana, fiscais estão no Alto Araguari, averiguando balsas que extraem seixo do rio. Ainda não há relatórios da ação.

Compartilhamentos