Compartilhamentos

SELES NAFES

Ao contrário do que foi divulgado por alguns meios de comunicação, a menina de 15 anos que morreu após passar mal numa festa com drogas em Macapá, no último fim de semana, não teve uma overdose. O delegado que investiga o caso, Sidney Leite, teve acesso ao resultado do exame cadavérico que apontou rompimento do baço provocado pela explosão de um rojão.

O indicativo de uma possível overdose partiu da equipe do Hospital de Emergência de Macapá, e foi acrescentada ao boletim de ocorrência da Polícia Militar, mas sempre no campo da suposição. O portal SELESNAFES.COM também tratou o assunto apenas como possibilidade.

O laudo oficial da Polícia Técnica do Amapá (Politec) ainda não ficou pronto, mas o delegado Sidney Leite, da Delegacia de Tóxicos (DTE), recebeu a conclusão da perícia informalmente, e já sabe que não se tratou de uma dose excessiva de cocaína.

“Foi um rompimento do baço que provocou hemorragia interna e depois uma parada cardíaca”, relatou.

Mariana Monteiro teve hemorragia interna. Foto: Arquivo

Na madrugada do dia 28 (sábado), Mariana Monteiro estava em uma festa conhecida como “resenha”, em uma casa no Bairro do Trem, área central de Macapá. É fato que a festa, que também ocorria na piscina, era regada à vodka e cocaína.

Delegado Sidney Leite: vizinho indiciado. Foto: Arquivo/SN

“Isso (consumo de drogas) é notório, todos confirmaram em depoimento”, acrescentou.

No entanto, por volta das 6h, um vizinho jogou um rojão que caiu na piscina ao lado da vítima. A explosão causou o ferimento interno que levou a adolescente a óbito, por volta das 11h, no Hospital de Emergência.

O vizinho foi ouvido em depoimento, e será indiciado por homicídio, mas disse que jogou o rojão para espantar pombos.

“Se eu constatar que ele está mentindo, a situação vai se complicar. (…) Estamos no fim do inquérito, faltando apenas algumas diligências”, concluiu Sidney Leite.

Compartilhamentos