Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

Mais de 30 servidores terceirizados da empresa Bravha Serviços, que presta serviços de limpeza hospitalar, fizeram protestos nesta segunda-feira (13) em vários municípios do Amapá. Os trabalhadores reclamam de atraso de quatros meses nos salários, além de dificuldades com falta de material.

O portal SELESNAFES.COM recebeu denúncias de servidores dos municípios de Calçoene, Laranjal do Jari, Amapá e Oiapoque. Apesar da localização distinta, a reclamação é a mesma.

Servidores paralisaram parcialmente os trabalhos Fotos: Divulgação/servidores

“Além de a gente não receber o nosso próprio sustento, não temos material mínimo. O chão está todo sujo porque não vai ter limpeza até a gente receber”, disse um servidor da empresa em Oiapoque, que preferiu não se identificar.

Nas fotos enviadas pelos trabalhadores da limpeza, além da paralisação parcial no atendimento, observa-se chão sujo com resto de sangue e lixeiras transbordando de insumos usados.

Fotos mostram sujeira no chão dos hospitais Fotos: Divulgação/servidores

“Vamos realizar uma greve indeterminada se não tivermos uma resposta. Aqui são trabalhadores que querem o que é seu por direito”, falou outro trabalhador do município de Laranjal do Jari, que também pediu para não ser identificado.

Corredor de hospital de Oiapoque cheio de sujeira Fotos: Divulgação/servidores

Os servidores, por meio do Sindicato dos Trabalhadores em Asseio e Conservação do Estado do Amapá (Stacap), já enviaram documentos pedindo retorno à Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).

A Sesa informou que o pagamento dos meses de julho e agosto à empresa Brahva estão previstos para os dias 16 e 22 de novembro, respectivamente. Para os demais meses, não foi divulgada data.

Compartilhamentos