Fiscais interditam cinco torres de telefonia celular em Porto Grande

Estruturas são particulares e alugadas por operadoras de telefonia
Compartilhamentos

Por SELES NAFES

Fiscais da Secretaria de Meio Ambiente de Porto Grande, cidade a 105 km de Macapá, interditaram cinco torres usadas por operadoras de telefonia celular. As empresas estavam sem os alvarás de construção, licenças ambientais e de operação.

As torres têm entre 100 e 120 metros de altura.

“Essas torres acoplam inúmeras antenas que produzem imagens e outros meios de comunicação, e são passíveis de licenciamento ambiental, mas as empresas que trabalham com essas estruturas metálicas descumprem a lei e insistem em construir essas altas torres de forma clandestina, principalmente nos municípios do Estado”, explica o secretário de Meio Ambiente de Porto Grande, Orivaldo Amorim, mais conhecido na região como “Sangue Forte”.

Torres têm entre 100 e 120 metros de altura. Fotos: Orivaldo Amorim/PMPG

Sala de manutenção lacrada…

…e grupo gerador também

“Há o risco constante de estarem sendo usadas (por terceiros) para crimes de interceptação de comunicações entre os órgãos públicos que trabalham com investigações ou fiscalizações como as polícias e Forças Armadas”, acrescenta.

As torres interditadas são da Vivo, OI, Claro e Sol. A Sol é um provedor de internet. As empresas não estão impedidas de operar, mas foram notificadas a pagar todos os débitos com o município, sob pena de serem multadas.

Secretário de Meio Ambiente Orivaldo Amorim com representantes das empresas

As portas das salas de manutenção das torres foram lacradas pela Secretaria de Meio Ambiente. A retirada dos lacres é considerada crime.

Até agora, apenas a OI e a Claro procuraram a prefeitura de Porto Grande para regularizar suas situações.

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
error: Conteúdo Protegido!!