Compartilhamentos

O Batalhão de Policiamento Rodoviário Estadual (BRPE) tenta combater uma prática que se tornou comum em Macapá: avisos sobre pontos de blitz pelo whatsapp. Mas, o que muita gente não sabe, é que alertar sobre pontos de fiscalização é crime previsto no Código Penal e existe punição.

Dentre os avisos irregulares, um dos mais comuns é quando um motorista usa faróis para indicar ao condutor que vem em sentido contrário sobre fiscalização policial, eletrônica ou interdições na pista. Mas hoje as redes sociais se tornaram a principal ferramenta para esse tipo de irregularidade. “É importante destacar que quando você informa o ponto de blitz não está só informando à pessoas de bem, mas pode estar avisando alguém que está portando uma arma ilegal, drogas, enfim, um criminoso”, ressaltou o tenente do BPRE, Bruno Mesquita.

Quando se avisa de uma blitz, se presta um desserviço à população. E utilizar as redes sociais para esse fim é crime previsto em lei. Quem avisar sobre blitz pode ser enquadrado por atentado contra a segurança ou ao funcionamento de serviços de utilidade pública. O crime está previsto no artigo 265 do Código Penal. O condutor pode ser multado e ainda perder quatro pontos na carteira.

O BPRE prefere manter sigilo, mas avisa que existe uma fiscalização secreta para identificar quem pratica esse tipo de crime. “Vale ressaltar, que essa atitude pode se voltar contra a própria pessoa. Aquele criminoso ou foragido que conseguiu escapar de uma blitz por uma informação no whatsapp pode cometer crimes de roubo, furto e assalto contra a mesma pessoa que passou a informação pelas redes sociais”, enfatizou o tenente.

 

Compartilhamentos