Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

O deputado e ex-presidente da Assembleia Legislativa do Amapá, Moisés Souza (PSC), e o ex-deputado e corregedor da Alap, Edinho Duarte, são considerados foragidos da justiça enquanto não se apresentarem para o cumprimento dos mandados de prisão, informou a Promotoria de Investigações Criminais do MP (Picc).

Os empresários Marcel e Manoela Bitencourt, proprietários da empresa MSB Consultoria; e o ex-secretário de Finanças da Alap, Edmundo Ribeiro Tork Filho, também são considerados foragidos.

Policiais, oficiais de justiça e uma equipe do MP tentaram cumprir os mandados de prisão no início da manhã desta terça-feira, 29, mas nenhum dos réus foi encontrado.

Policiais e a promotora Andréa Guedes, da Picc, estiveram cedo na residência do deputado Moisés Souza (PSC) para cumprir o mandado.

“Fomos informados na casa que ele se apresentará aqui na promotoria, estamos esperando. Mas onde ele for encontrado será preso. No caso dos demais, eles também são foragidos. Foi cientificado no mandado de prisão que ele não pôde ser cumprido porque não se encontram em suas residências”, informou a promotora.

Os cinco estão condenados numa das ações penais da Operação Eclésia, de 2012, por desvio/peculato e dispensa ilegal de licitação na contratação da empresa de consultoria MSB, pelo valor de R$ 397 mil. A empresa pertence aos empresários Marcel e Manoela Bitencourt.

O dinheiro teria sido pago sem a prestação do serviço. Moisés e Edinho estão condenados a 13 anos de prisão, e os demais a 11 anos. Na noite de segunda-feira, 28, a desembargadora Sueli Pini determinou o cumprimento das penas a pedido do MP. 

Mais cedo, o advogado Maurício Pereira confirmou que irá apresentar Moisés Souza na Picc, mas ainda sem horário definido. O Portal SELESNAFES.COM não conseguiu contato com os advogados dos demais réus.

Compartilhamentos