Clonagem vegetal auxilia produção agrícola no AP

Tecnologia é desenvolvida há 17 anos no Estado por meio de parceria entre o Iepa e o Rurap. Expectativa do projeto é comercializar cerca de 50 mil mudas de banana até 2018
Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Uma muda de banana que pode gerar outras 300. Plantas como essa, geneticamente melhoradas, que podem produzir até 40% a mais do que as convencionais e em até 11 meses a menos.

O aperfeiçoamento de técnicas agrícolas por meio da clonagem vegetal em produtos como banana, abacaxi, mandioca e orquídeas já é uma realidade no Amapá há 17 anos. O Estado foi o primeiro na Amazônia a adotar o procedimento, também conhecido como multiplicação in vitro, que permite o plantio de mudas resistentes a pragas e doenças.

O governo do Estado já realizou, desde 2000, a doação de mais de 400 mil mudas de banana e abacaxi para produtores rurais. Agora, o projeto, desenvolvido pelo Instituto de Pesquisas Cientificas e Tecnológicas do Estado do Amapá (IEPA) e o Instituto de Desenvolvimento Rural do Amapá (Rurap), pretende comercializar pelo menos 50 mil mudas de banana até o fim de 2018. 

Segundo informações do Laboratório de Cultura de Tecidos Vegetais (LCTV), que aperfeiçoa a técnica, com a tecnologia, agora já em expansão, será possível produzir plantas mais resistentes e com tempo otimizado, gerando mais potencial de comercialização e economia na produção, ajudando principalmente a impulsionar a agricultura familiar.

Banana é um dos produtos agrícolas beneficiados com a técnica desenvolvida pelo LCTV. Foto: arquivo/SELESNAFES.COM

Na comercialização das plantas clonadas, os produtores locais poderão pagar R$ 2 por mudas prontas para o plantio, medindo de 20 a 30 centímetros e com alta qualidade fitossanitária, segundo o LCTV.

Tecnologia pode beneficiar agricultura familiar e de longa escala

O engenheiro agrônomo e coordenador do LCTV, Marcelo Carim, explica que a técnica de clonagem vegetal é o processo de produção de mudas in vitro em laboratório sob condições adequadas de assepsia, nutrição e ambiente controlado.

“É um material genético de alta qualidade e objeto de um longo complexo de melhoramento. Além disso, Estas mudas possuem a vantagem de produzir 40% a mais que as plantas convencionais”, disse o engenheiro agrônomo.

Carim avaliou também que os resultados da adoção da multiplicação in vitro no Amapá são promissores e podem beneficiar tanto a agricultura familiar como a de grande escala.

“O laboratório produz uma muda de qualidade, isenta de pragas e doenças. Essa muda tem vigor, capacidade de produzir um fruto com grande aceitação comercial”, concluiu.

 

Foto destaque: Maksuel Martins/SECOM

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
error: Conteúdo Protegido!!