Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Moradores de Santa Luzia do Pacuí estão ajudando pesquisadores nas escavações do sítio arqueológico encontrado na região há cerca de duas décadas. As atividades de resgate no local fazem parte do projeto “Resgate Arqueológico e Educação Patrimonial ao longo da Rodovia AP – 070”, resultado de um convênio firmado entre o Instituto de Pesquisas do Amapá (Iepa) e a Secretaria de Estado de Transportes (Setrap).

O licenciamento arqueológico prévio realizado em obras de infraestrutura do governo do Amapá abrange a construção de rodovias estaduais, obras de mobilidade urbana e conjuntos habitacionais, e atende pela identificação, registro e salvamento de muitos sítios e seus materiais arqueológicos, como urnas funerárias e utensílios de cerâmica. 

Desde outubro, quando começaram as atividades, já foram identificadas pelo menos 26 urnas funerárias no sítio localizado a 113 quilômetros de Macapá. 

Além de acompanhar e realizar o resgate do material arqueológico que seria destruído pelas obras ao longo da rodovia, o projeto inclui a realização de ações de educação patrimonial junto às comunidades da região, como atividades em escolas, reunião com os moradores, oficinas e exposições. Algumas dessas atividades já estão em andamento desde o final de 2016.

A pesquisa ainda está andamento. Após o processo de escavação em campo e as análises em laboratório, incluindo a higienização, registro e demais atividades, todos os materiais serão catalogados para integrar a reserva técnica do Iepa.

O Amapá possui o registro de pelo menos 550 sítios arqueológicos mapeados nas regiões sul, norte e central.

 

Compartilhamentos