Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

A partir do ano que vem, famílias da Amazônia poderão solicitar financiamentos mais baratos para adquirir equipamentos de energia solar e assim baratear em até 95% a despesa com eletricidade. A proposta do governador do Amapá, Waldez Góes (PDT), foi aprovada pelo Conselho Deliberativo da Sudam, em reunião no último dia 1º.

Os recursos das linhas de crédito, que vão somar R$ 120 milhões, são do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO), administrado pelo Banco da Amazônia, o antigo Basa. Os recursos vão cobrir a elaboração dos projetos e instalação dos equipamentos nas residências.

Além das taxas de juros abaixo do mercado, o prazo de pagamento será maior, além de bônus para quem quitar as parcelas dentro do prazo.

Em maio deste ano, o Amapá já tinha aderido ao Sistema de Compensação de Energia Elétrica, gerenciado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Recursos vão custear elaboração do projeto e a instalação dos equipamentos

Waldez Góes ressaltou que, além da diminuição na conta de energia, os consumidores amapaenses ainda terão desconto no Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) incidente sobre a fatura.

Comunidades distantes, como as ribeirinhas e indígenas, também serão beneficiadas com a energia solar, lembrou o governador.

“Nos baseamos numa linha de crédito similar do FNE [Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste], cujo foco é a energia eólica, conforme as características naturais do Nordeste. E para a Amazônia o ideal é a energia fotovoltaica, pois durante boa parte do ano os raios solares são intensos na região. Portanto, estamos incentivando o uso desta energia renovável, que além de racional, é bom para o bolso do consumidor, para o meio ambiente e vai impulsionar o mercado de geração distribuída no Norte”, avaliou o governador amapaense.

Compartilhamentos