Promotor Moisés pede pra sair

Em prisão domiciliar e investigado pela PF, Moisés Rivaldo disse que não tem mais condições de continuar como secretário de Educação
Compartilhamentos

SELES NAFES

O promotor de Justiça aposentado, Moisés Rivaldo, não é mais o secretário de Educação de Macapá. Ele entregou o cargo por meio de carta encaminhada ao prefeito Clécio Luis (REDE), na quarta-feira (27), após muita negociação nos bastidores entre os advogados dele e interlocutores da prefeitura.

A avaliação interna da prefeitura, e dos próprios advogados do promotor, era de que a melhor saída seria que ele solicitasse a exoneração. Seria menos desgastante diante da tsunami de acontecimentos que varreu a vida do promotor filiado ao Patriota e com a intenção declarada de se candidatar ao Senado no ano que vem.

Promotor Moisés é um dos principais alvos da “Operação Minamata”, da Polícia Federal, que investiga a exploração ilegal de ouro no Amapá. Ele foi preso no dia 30 de novembro, e no dia 25 de dezembro foi transferido do Centro de Custódia do Iapen para sua residência, beneficiado com a prisão domiciliar concedida pelo Tribunal Regional Federal (1ª Região).  

Trecho da carta onde o promotor afirma que não tem condições de permanecer na Semed

Na carta encaminhada ao prefeito, o promotor faz uma avaliação dos quase 11 meses em que comandou a Secretaria de Educação, lembrando que enfrentou problemas administrativos e financeiros. Disse que recuperou ônibus escolares, fez convênios com caixas escolares, regularizou pagamentos de alugueis de prédios, entre outros avanços.

“A Educação é muito importante e os problemas são muitos, razão pela qual necessita de um titular que possa se dedicar com maior tempo e disponibilidade possível, compromisso com o qual, por enquanto, não posso assumir diante de todos os problemas pessoais que passei a viver nos últimos 28 dias”, ponderou o promotor ao pedir exoneração.

O promotor disse ainda que pretende devolver aos cofres da prefeitura qualquer verba que tenha caído em sua conta após sua prisão. Na carta, ele solicita o número de uma conta para fazer o estorno.

O prefeito Clécio Luis, que já tinha nomeado uma secretária interinamente para o cargo, aceitou a exoneração, mas não deve efetivar Sandra Casemiro como titular da Semed. O mais provável é que o cargo permaneça em “aberto”, já que o cenário de 2018 é de novas alianças.  

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.