Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

A boa notícia do aumento do número de assentos em vôos da empresa aérea Azul para o Amapá trouxe expectativas de crescimento para o setor turístico do Estado. A Associação Brasileira de Empresas Aéreas (Abear) não tem o número exato, mas, estima que o aumento de assentos possa gerar um impacto positivo de 400 a 500 novos postos de trabalho neste setor, em 2018.

A entidade refere-se aos empregos diretos e indiretos gerados por todo o trade turístico, que inclui as empresas aéreas, prestadoras de serviços, transporte terrestre e hotelaria, entre outros segmentos. 

O presidente da Abear, Eduardo Sanovicz, foi um dos convidados para o evento promovido pelo Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade da Federação do Comércio do Amapá (Fecomércio), que aconteceu na quarta-feira (10), no auditório da instituição.

Airbus A320 passa a operar com 56 novas vagas em assentos Foto: Seles Nafes

Segundo Sanovicz, a aviação gera aproximadamente 13 mil postos de trabalho no Amapá, na sua atual estrutura.

“A boa notícia é que isso vai gerar um impacto positivo numa cadeia produtiva muito ampla. Isso impacta o rapaz que vende sanduíche no aeroporto, a moça que está trabalhando no balcão da loja, o taxista e o comércio”, falou Sanovicz. 

Representante da Abear Eduardo Sanovicz esteve no Amapá Foto: André Silva

Sandro Belo, da Associação Brasileira de Turismólogos e Profissionais de Turismo, disse que toda melhoria no transporte aéreo é benéfico para o turismo do Estado. Para ele, a ampliação de assentos é muito positiva para o turismo, porque, além de contribuir para a redução do valor da passagem aérea, contribui para a melhoria da cadeia produtiva do turismo.

“Impacta em toda a cadeia produtiva do turismo, que começa na emissão de bilhetes através de uma empresa de viagem, passa pela empresa de transporte aéreo, pelo táxi, hotel, restaurante, artesanato e comércio”, disse Belo.

Sandro Belo, da Associação Brasileira de Turismólogos e Profissionais de Turismo Foto: André Silva

Edir Pacheco, da Fecomércio, disse que os 55 lugares a mais para vôos saindo e chegando do Amapá, pode impactar diretamente no custo da passagem aérea, e esse é um dos principais benefícios para o estado.

“Vai melhorar também para a população, porque as pessoas que querem ir a Belém ou vir de lá, por exemplo, hoje para ir e voltar para o Pará, gasta em média R$ 2.600. Então é um preço inconcebível para um trecho que nós temos aqui de 30 minutos”, lembrou.

Novidade sobre a aeronave foi apresentada na Fecomércio Foto: André Silva

Com a aeronave Airbus A320 da Azul que passa a operar no Amapá, a capacidade de vagas passa de 118 para 174, ou seja, serão 56 novas vagas em assentos, o que aumenta a oportunidade de vôos diários para o estado.    

Deixe seu comentário
Compartilhamentos