Caminhada marca o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa no AP

Data rememora o falecimento da Iyalorixá Mãe Gilda, do terreiro Axé Abassá de Ogum (BA), vítima de intolerância por ser praticante de religião de matriz africana
Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Acontece na tarde deste domingo (21) a III Caminhada das Bandeiras de Matriz Africana em alusão ao Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. O evento terá concentração a partir das 16h, na Praça Veiga Cabral, no Centro, e encerra o percurso no Trapiche Eliezer Levy, na orla da cidade.

Capoeira, marabaixo, hip-hop e manifestações da religiosidade de matriz africana serão parte das atividades desenvolvidas no trajeto da caminhada que este ano tem como tema “Todos Unidos pela Paz, Respeite a minha Fé”.

De acordo com a coordenação do evento, o objetivo é sensibilizar a sociedade para combater a intolerância religiosa. 

“Embora tenham ocorrido alguns avanços nos últimos anos, o maior desafio ainda é o de esclarecimento. Existe uma imagem totalmente equivocada em relação à filosofia das nossas religiões”, avaliou a mãe de santo Nina Souza.

A programação é organizada pelo Instituto Cultural e Educacional Nina Souza (CENS) com apoio do Governo do Amapá, através da Secretaria de Extraordinária dos Povos Afrodescendentes (Seafro).

Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa

A data é celebrada em 21 de janeiro e foi instituída em 2007 pela Lei nº 11.635. Ela rememora o falecimento da Iyalorixá Mãe Gilda, do terreiro Axé Abassá de Ogum (BA), vítima de intolerância por ser praticante de religião de matriz africana. A sacerdotisa foi acusada de charlatanismo, teve a casa atacada e pessoas da comunidade foram agredidas. Mãe Gilda faleceu no dia 21 de janeiro de 2000, vítima de infarto.

Foto: André Rodrigues (Secom)

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.