Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Um dos homicídios mais bárbaros de 2017 foi solucionado nesta sexta-feira (5) pela equipe do delegado Ronaldo Coelho, da Delegacia de Homicídios do Amapá. O acusado do crime, preso depois de dois meses de buscas, espancou outro homem de forma impiedosa, até a morte, diante de duas câmeras de segurança de um armazém.

O crime ocorreu na madrugada do dia 3 de setembro de 2017, ao lado da Feira do Produtor, na Avenida 13 de Setembro, Bairro do Buritizal, zona sul de Macapá.

O relógio de uma das câmeras marcava 2h50min quando as agressões começaram. As imagens não têm muita qualidade, mas foram essenciais para entender a dinâmica do assassinato. A câmera, que estava virada de frente para o crime, trabalha com movimentos automáticos, e, por isso, filmou apenas trechos da violência.  

Silvano Santos tranquilidade diante da câmera e silêncio durante depoimento

É possível ver a vítima Reginaldo Viana dos Santos, de 46 anos, tentando fugir de seu algoz, identificado como Silvano Lopes dos Santos, de 32 anos, que é agricultor.

As agressões duram vários minutos, e só eram interrompidas quando algum veículo passava pelo local. Várias testemunhas viram o que estava ocorrendo, mas nenhuma quis interferir.  

“Veio atrás com pisões na cabeça, mesmo estando jogado ao chão. Quando os carros e motos passavam ele parava. Estava intencionalmente com a vontade de matar, com fúria”, avalia o delegado Ronaldo Coelho. 

Motociclista e motoristas passavam pelo local, mas nenhum interferiu. Foto: Reprodução

A segunda câmera mostra o agricultor derrubando a vítima, que é impedida de se levantar com socos e chutes. Foram muitos chutes, todos na cabeça. Em seguida, o agricultor apanha a bicicleta parecendo que ia embora, mas decide voltar e continuar as agressões, algumas, inclusive, com o uso da bicicleta. 

“Num ato de fúria, acabou matando a vítima daquela maneira cruel e perversa. Nem um porco morre assim. A imagem não tem som, mas provavelmente a vítima gritava para não morrer”, observa o delegado.

Depois de meses de investigações, a Polícia Civil conseguiu identificar, com a ajuda de testemunhas e das imagens, o agricultor Silvano Santos. Ele é produtor de farinha da comunidade de Terra Preta, em Ferreira Gomes.

Acusado de frente para o delegado Ronaldo Coelho: dois meses de buscas após a preventiva decretada. Foto: Olho de Boto

Agricultor acusou vítima de ter furtado duas sacas de farinha

Horas antes do homicídio, o agricultor vendeu uma grande quantidade de farinha na Feira do Produtor, e teria pago R$ 10 à vítima para que ela vigiasse duas sacas que haviam sobrado. Quando o agricultor retornou, alguns momentos depois, não encontrou a mercadoria, e passou a acusar Reginaldo Santos do furto. A vítima negou, e passou a ser agredida. 

A pedido do delegado Ronaldo Coelho, a Justiça decretou a prisão preventiva do acusado, mas a atividade dele como agricultor atrapalhou a rápida localização, já que ele sempre estava em deslocamento.

Nesta sexta-feira, ele foi preso em uma propriedade na comunidade de Terra Preta. Informalmente, ele confessou o crime, mas, em depoimento formal, preferiu ficar em silêncio. Depois do interrogatório, ele foi encaminhado para o Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen).

O delegado disse que esse não foi o primeiro homicídio na Feira do Produtor. Segundo ele, durante a madrugada esses locais atraem criminosos.

“Uma pequena que Macapá seja uma das poucas capitais que não possua câmeras públicas de segurança, especialmente nesses locais de feira”, concluiu.

Assista ao vídeo

Deixe seu comentário
Compartilhamentos