Professores e alunos paralisam aulas em busca de melhorias para escola

Educadores reclamam, principalmente, das condições da escola, segundo eles, péssimas.
Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Professores da Escola Estadual Francisco Walcy, localizada no município de Santana, a 17 quilômetros de Macapá, paralisaram as atividades no turno da tarde de quinta-feira (26). Acompanhados por alunos, eles reclamam das condições da escola, segundo eles, péssimas, e reivindicam a abertura de mais turmas, além de outras doze pautas que vão da estrutura física da instituição a questões administrativas.

A paralisação foi decidida após uma reunião que aconteceu na segunda-feira (23), entre os professores. Eles dizem que o diretor escolar busca recursos para a manutenção da instituição, mas nunca recebe um posicionamento positivo da Secretaria de Estado da Educação (Seed).

“A gente está praticamente no limite. Nem pincel a gente tem mais. Ontem fizemos a paralisação, mas jamais com a intenção de denegrir a imagem do nosso diretor”, falou a professora Rutilene Melo.

Ela disse que as salas estão superlotadas e que as demais que poderiam abrigar mais alunos, estão sem condição de funcionamento.

Segundo a professora, a secretaria chegou a mandar algumas centrais de ar para a escola, mas não providenciou a instalação. Uma rifa foi organizada pela escola para arrecadar dinheiro para o serviço.

Outro problema reclamado pelos professores é a quadra poliesportiva usada para as aulas de educação física. Um dos alunos que participou do ato com os professores disse que o local está praticamente destelhado e que as aulas estão acontecendo em sala de aula. (assista ao vídeo)

Os professores reclamam também: da carga horária; limite de alunos por sala; pedem a abertura de novas turmas; material para o trabalho; troca dos serviços de copiadoras; internet; pré-Enem com apostilas e simulados e xerox de qualidade.

Quadra da escola está parcialmente destelhada Foto: André Silva

Terreno baldio

Ao lado da escola fica a Vila Olímpica, que os professores contam só servir para abrigar usuários de drogas. Eles dizem que para se proteger, colocaram uma cerca que separa a escola do local. Com a iniciativa, eles esperam dificultar a ação de criminosos que, inclusive, chegaram a assaltar alguns alunos durante a aula.

A Seed ficou de se posicionar sobre as reivindicação dos professores e alunos.

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
error: Conteúdo Protegido!!