Na Guiana, mãe se desespera ao ver o corpo do filho brasileiro

Estevão Marques, de 37 anos, morreu ao ser metralhado pelas costas
Compartilhamentos

SELES NAFES

A família da prefeita de Oiapoque, Maria Orlanda Garcia (PSDB) tenta, desde o último fim de semana, trazer para o Brasil o corpo de um sobrinho dela assassinado por policiais durante uma operação de checagem na Guiana Inglesa. Os policiais estão presos.

O crime ocorreu no último sábado (11), numa comunidade de garimpeiros conhecida como Curumim, próximo da cidade de Bartica, na Guiana Inglesa.

Segundo o que testemunhas relataram à família, Estevão Costa Marques, de 37 anos, natural do Estado do Maranhão, estava em uma casa com outros brasileiros quando os policiais chegaram exigindo documentos de todos.

Marques estava com a documentação vencida, mas, dias antes, havia informado a colegas que iria até a capital, Georgetown, com o objetivo de pedir a renovação dos papéis de permanência.

“Um dos policiais o chamou, mas ele não atendeu. Se levantou e saiu andando quando foi alvejado com um tiro na nuca”, comentou o diretor de Relações Internacionais da Prefeitura de Oiapoque, Isaac Silva.

Segundo a imprensa local, o garimpeiro foi metralhado pelas costas. O corpo dele foi levado para a cidade numa embarcação. Um vídeo gravado por populares mostram a mãe dele se desesperando e desmaiando na chegada do cadáver. Ela foi impedida de se aproximar do corpo do filho.

Policiais foram presos depois de entregar o corpo do garimpeiro. Fotos: Reprodução

Garimpeiro foi metralhado pelas costas

Os policiais foram presos em flagrante.

“Esses policiais costumam procurar migrantes sem documentos para extorquir dinheiro”, acrescenta Isaac Silva.

Até agora, a família e nem a prefeitura de Oiapoque conseguiram contato com a assistência consular do Brasil. O objetivo da família é conseguir a repatriação do corpo.

 

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
error: Conteúdo Protegido!!