Procuradores do Amapá vão analisar acordo de leniência com Kaká

Juiz entende que representante do Estado precisa participar da elaboração de acordos que envolvam devolução de dinheiro público
Compartilhamentos

SELES NAFES

O Conselho Superior da Procuradoria Geral do Estado (PGE), braço jurídico do governo do Amapá, decidiu que vai discutir o acordo de leniência firmado entre o Ministério Público do Estado e o presidente da Assembleia Legislativa, Kaká Barbosa (PR).

No acordo, celebrado em julho, o deputado reconheceu que recebeu ilegalmente mais de R$ 2,1 milhões da Assembleia a título de diárias de viagens e verba indenizatória.

Para escapar da condenação, Kaká concordou em devolver (parceladamente) os valores atualizados e ainda pagar uma multa de R$ 215 mil a um fundo contra a corrupção gerenciado pelo Ministério Público do Estado.

Antes de decidir se homologará ou não o acordo, o juiz do caso estranhou o fato de o representante do Estado, neste caso a PGE, não ter sido consultado para a elaboração dos termos. Dois aspectos devem ser analisados: o número de parcelas dos valores a serem ressarcidos ao Estado e a destinação da multa.

Reunião está marcada para a próxima terça-feira (14). Foto: Cássia Lima/Arquivo

Esta semana, o procurador do Estado, André Rocha, chegou a emitir uma petição ao juiz do caso afirmando ser necessário que a PGE e a Controladoria Geral do Estado (CGE) participem na definição dos valores a serem devolvidos por Kaká Barbosa.

Procuradores consultados pelo portal SELESNAFES.COM acharam remota a possibilidade de a PGE solicitar a anulação do acordo. O episódio, no entanto, é um divisor que marca a importância do papel da PGE em futuros acordos de leniência.

A reunião do conselho está marcada para a próxima terça-feira (14).

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.