Curso quer humanizar atendimento ao público LGBTQI no MP

Curso será ministrado em todas as unidades administrativas do MP, em todos os municípios amapaenses.
Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Servidores do Ministério Público Estadual do Amapá (MP) participaram de um curso de diretrizes para assegurar o atendimento adequado e mais humanizado ao público LGBTQI+ (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, queer e intersexuais), dentro da instituição.

Ofertado pelo Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional do Ministério Público do Amapá (Ceaf), o curso será ministrado em todas as unidades administrativas do MP, em todos os municípios amapaenses.

De acordo o subprocurador-geral de Justiça para Assuntos Administrativos e Institucionais do MP-AP e coordenador Ceaf, Nicolau Crispino, a capacitação tem a ver com a recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de assegurar a qualquer cidadão o direito de utilizar o nome social.  

A capacitação contou com a presença do professor doutor da Universidade Federal do Amapá (Unifap), Antônio Sardinha, que iniciou o curso fazendo um apanhado histórico, destacando o surgimento de uma cultura definida como heteronormativa, ou seja, onde qualquer orientação sexual diferente da heterossexual é marginalizada.

Acerca da sexualidade no campo jurídico, o professor expôs o conceito trazido pelas pesquisadoras Wilza Villela e Margareth Arilha (2003). “Os direitos sexuais incluem o direito à afirmação das diferentes possibilidades de expressão sexual e o direito de decidir de maneira autônoma pelo uso do próprio corpo, oferecendo garantias à afirmação de diversas formas de identidades sexuais e expressão sexual ao longo da vida”, citou.

A ideia, segundo o MP, é que todos compreendam e respeitem os princípios básicos dos direitos sexuais, que começa pela liberdade e igualdade.

 

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
error: Conteúdo Protegido!!