Mesmo com risco de explosão, lixão ainda recebe 50 ton/dia

Audiência judicial vai julgar ação civil que trata do caso
Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

No próximo dia 18 uma audiência judicial vai decidir o futuro da lixeira pública de Oiapoque, cidade na fronteira com a Guiana Francesa e a 590 quilômetros de Macapá. O local continua recebendo quase 50 toneladas de lixo por dia, causando um imenso prejuízo ambiental e de saúde pública.

Desse total, 30 toneladas são de lixo doméstico e 10 toneladas de lixo industrial, que inclui resíduos do matadouro e de empresas de filetamento de peixe.

Uma audiência pública no último dia 11 discutiu o assunto com a participação de representantes da prefeitura, Ministério Público do Estado, Ibama, Corpo de Bombeiros e sociedade civil organizada.

A lixeira, que a fica a um quilômetro da sede do município, existe há 20 anos e passa por incêndios quase todos os dias. O problema causa mal cheiro e gera uma fumaça tóxica que chega em Saint Georges, na Guiana Francesa, atrapalhando o comércio e até o movimento em restaurantes.

Em 2003, o governo do Estado chegou a iniciar o licenciamento para criar o aterro controlado, mas o processo parou. Em 2009, uma ação civil pública que tramitava havia cinco anos condenou o Estado e a Prefeitura de Oiapoque a multa diária R$ 10 mil, mas o valor depois foi reduzido para R$ 2 mil e a ação foi arquivada.

O ano passado a ação foi desarquivada, novos prazos foram dados para o Estado e prefeitura, mas nada foi feito apresentado.

Na audiência desta semana, a prefeitura informou que a única área disponível e dentro dos prazos ambientais exigidos para receber o aterro fica no KM-23 da BR-156, entre terras indígenas e a Floresta Estadual do Amapá (Flota). 

Por enquanto, o Estado ficou de disponibilizar uma retroescavadeira e o município um trator para tentar amenizar a situação no lixão. O Corpo de Bombeiros informou que há risco de explosão no local, caso os procedimentos não sigam normas técnicas. Um parecer da vistoria feita no local está sendo finalizado.

O matadouro recebeu prazo de 30 dias para ao MP um plano de destinação dos resíduos, já que até carcaças de bois são jogadas no local.

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.
error: Conteúdo Protegido!!