Agentes reafirmam que advogado entregou celulares a preso no Amapá

Sindicato repudiou acusações sobre agentes que estariam monitorando advogado
Compartilhamentos

SELES NAFES

Os agentes penitenciários que estavam de plantão no Iapen, quando o advogado Washington Picanço foi acusado de entregar celulares a um detento, reafirmaram essa versão, nesta quinta-feira (8), à direção do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Amapá, que acompanha o caso. A defesa do advogado tenta inverter a denúncia responsabilizando os próprios agentes pela entrega de material ao preso.

O presidente do sindicato, Edno Santa Rosa Bentes, conversou com os agentes para entender o que aconteceu. Segundo ele, o advogado passou a ser monitorado depois que a coordenação de segurança do Iapen recebeu uma denúncia, ainda pela manhã, de que Washington Picanço iria visitar um preso às 17h com o objetivo de entregar os celulares. Os agentes teriam se organizado para fazer um flagrante.

Na entrada no complexo, o advogado, já monitorado, passou pelo detector de metais. O aparelho emitiu um alerta sonoro, mas Picanço teria mostrado apenas o próprio celular como causador do sinal.

“Os advogados não podem ser revistados. Temos cobrado do servidor que enquanto o sinal estiver apitando não é pra passar”, comentou o sindicalista.

Depois disso, o advogado se dirigiu ao parlatório, lugar destinado ao encontro entre advogados e detentos, que são isolados por uma divisória para evitar contato físico.

Momento em que Washington Picanço deixa o Ciosp do Pacoval após depoimento. Fotos: Olho de Boto

No entanto, depois disso, Picanço teria entrado na cadeia alegando que precisava ir até o centro onde ficam guardados os arquivos sobre a situação de cada detento. Lá, ele teria encontrado com o detento para repassar o material.

“Os detentos são revistados quando saem das celas. (…) Quando os agentes chegaram lá no centro para dar o flagrante já encontraram com esse detento saindo do centro. Ele foi revistado e estava com os celulares”, relatou Bentes.

A defesa do advogado e a Comissão de Prerrogativas da OAB afirmam que em nenhum momento os agentes viram Washington Picanço repassando os celulares para o preso.

“Quando o preso saiu do pavilhão de origem ele foi revistado, e como na volta, na hora de revistado de novo, ele já estava com os celulares? (…) A nossa preocupação não é que o advogado seja punido pela OAB. A nossa preocupação é que na defesa dele acusou os agentes. Nós repudiamos isso”,

Edno Bentes disse que a categoria não tem sido complacente com agentes corruptos, e lembrou que já houve prisões.

“Não compactuamos com essa situação, é a segunda denúncia contra esse advogado, que na defesa dele joga suspeita sobre toda uma categoria que tem 1 mil profissionais”, concluiu.

O sindicato encaminhará um ofício à OAB pedindo providências sobre a conduta do advogado. Washington Picanço foi liberado após depoimento no Ciosp do Pacoval, mas terá que prestar esclarecimento diante de um juiz. 

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.