Laudo confirma que bebê morreu afogado e descarta abuso

Mãe disse que deixou criança sozinha quando foi fazer almoço
Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

O laudo médico da Polícia Técnico Científica do Amapá descartou a possibilidade de violência sexual no caso do bebê de 1 ano e 8 meses que morreu afogado em uma cisterna, no Distrito do Coração. 

O caso ocorreu na tarde de quarta-feira (7), em uma chácara, onde funciona uma horta. Segundo o exame, a causa da morte da criança foi afogamento. 

A delegada Cristina Amorim, platonista da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM), ouviu depoimento dos três homens que trabalham no sítio e os pais do bebê morto, do sexo feminino.

Da DP de Santana, pais e funcionários foram depor na Delegacia da Mulher, em Macapá Fotos: arquivo SN

A mãe teria contado que foi fazer o almoço e deixou a criança sozinha.  

“Uma hora depois, ela encontrou a criança morta na cisterna”, disse a delegada.

Delegada Cristina Amorim (camisa cor de rosa): morte por afogamento

Cristina Amorim explicou ainda que, ao ser descartada a hipótese de abuso, os funcionários e o gerente da horta foram liberados.

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.