Um ano após 2º lugar, “mais bela negra” fala em acreditar em sonhos

Vitória Rodrigues e Bruno Lima chamaram a atenção e foram os vencedores
Compartilhamentos

RODRIGO INDINHO

A beleza, simpatia e desenvoltura de Vitória Rodrigues, de 16 anos, e Bruno Lima, de 20 anos, levaram, respectivamente, os jovens à consagração no concurso “Mais Bela Negra e o Mais Belo Negro” do Estado do Amapá em 2018. Cerca de 5 mil pessoas prestigiaram o evento.

A escolha aconteceu em um concurso realizado na noite de quarta-feira (21), no segundo dia do XXIII Encontro dos Tambores, na União dos Negros do Amapá (UNA), no Bairro do Laguinho, região central de Macapá. O evento faz parte da programação da Semana da Consciência Negra.

Concurso é momento de exaltação da beleza negra Foto: Philippe Gomes/Secom

No total, quatro candidatas e quatro candidatos concorreram ao título. Eles foram avaliados nos quesitos beleza, coreografia e simpatia, em performances com trajes de banho, gala e típico.

Vitória Rodrigues

Eleita Mais Bela Negra, a estudante do 1° ano do ensino médio, Vitória Rodrigues, obteve no ano de 2017 a segunda colocação. A representante da Cia Galibi Marworno afirma que, para alcançar o título este ano, a preparação foi curta porém intensa.

Vitória Rodrigues: felicidade em honrar a beleza do povo negro do AP Foto: Gabriel Penha/Seafro

“Nunca devemos desistir dos nossos sonhos. Agradeço aos meus produtores, familiares e amigos que me apoiaram nesta jornada. Ao povo amapaense, ressalto que irei honrar a beleza e a cultura negra do nosso querido Amapá”, disse.

Bruno Lima

Vencedor do Mais Belo Negro, o acadêmico de odontologia e bailarino, Bruno Lima, relata que também teve pouco tempo de preparação. O representante do berço do Marabaixo atribuiu a vitória ao seu empenho e ao esforço de toda sua equipe.

Bruno Lima: dedicação e trabalho em equipe Foto: Gabriel Penha/Seafro

“É uma das melhores experiências da minha vida, agradeço a todos que me ajudaram e torceram por mim. Daqui para frente continuarei honrando ainda mais o legado do povo negro”, comentou.

Segundo a organização, cada campeão ganhou um valor de R$ 5 mil em premiações. A princesa e o príncipe do concurso são Mayane Santos e Marcos Nascimento.

Multidão prestigiou o evento Foto: Rodrigo Indinho

Programação

O XXIII Encontro dos Tambores que teve início na terça-feira (20), segue com apresentações de grupos de marabaixo e batuque, grupos de matriz africana, grupos de capoeira, hip-hop, oficinas e outras atrações, até o sábado (24), na UNA.

Foto de capa: Gabriel Penha/Seafro

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.